PUB
Philips S9000

“24 HORAS”, de João Carlos Brito

“24 HORAS”, de João Carlos Brito As gloriosas noites de tourada de Tó Morcego 12.ª hora

Ó voz melodiosa! Ó canto límpido e cristalino da mais pura ave do paraíso! Quem seria possuidora de tão divinais acordes? O caso não era para menos. Tó, no seu quotidiano, não estava, de todo, acostumado a escutar meigas e ternas palavras. No camião do lixo, no “Toutaver”, a malta só usava de porra para cima. Tozinho!! Jamais houvera ouvido esse diminutivo. Seria a boa Fada Boa Zona? Seria, porventura, sua mãe, num raro devaneio maternal? Ou então, quiçá, a...

Ver Mais

La Féria apresenta “Revista à Moda do Porto”. Bilhetes estão quase esgotados

La Féria apresenta “Revista à Moda do Porto”. Bilhetes estão quase esgotados

A “Revista à Moda do Porto”, do aclamado Filipe La Féria, está prestes a chegar à cidade Invicta. O espetáculo estará em cena de 6 a 21 de janeiro, no mítico Teatro Sá da Bandeira, sendo que a maior parte das sessões já se encontram esgotadas.

«No espetáculo “Revista à Moda do Porto” prepare-se para uma experiência teatral única, repleta de humor, sátira e talento, onde Filipe La Féria promete envolver o público numa produção magnífica, marcada pela sua assinatura distintiva», alicia a...

Ver Mais

“24 HORAS”, de João Carlos Brito

“24 HORAS”, de João Carlos Brito As gloriosas noites de tourada de Tó Morcego 8.ª hora

O senhor padre Jeremias-eu-cagava-e-tu-comias (era assim que, normalmente, a malta a ele se dirigia. Com muito respeito), em polvorosa, arrastava-se em direção a Tó Morcego. Quando os dois se encontraram, o sacerdote começou a pregar uma lengalenga impercetível para o nosso herói. Não percebendo bem o que estava a passar-se, e depois de confirmar que não se tratava de um exorcismo, Tó pediu algum tempo e um local mais privado para conversarem, dado que, entretanto, uma...

Ver Mais

“24 HORAS”, de João Carlos Brito

“24 HORAS”, de João Carlos Brito As gloriosas noites de tourada de Tó Morcego 7.ª hora

O cenário era apocalíptico. Os dois gangues avançavam lentamente para o confronto. A cada passo que davam, a tensão aumentava. Os corpos hirtos preparavam-se para, a qualquer momento, iniciar a mais sanguinária batalha que o solo tripeiro já vira travar. Para acrescer ainda mais a emoção, quando a distância que os separava rondava os dez metros, pararam e fitaram-se. Sabiam que muitos não sobreviveriam para contar o sucedido, mas um soldado não pode pensar,...

Ver Mais

“24 HORAS”, de João Carlos Brito

“24 HORAS”, de João Carlos Brito As gloriosas noites de tourada de Tó Morcego 6.ª hora

Quando o Bítaro pôs a carrinha em marcha, olhou apavorado para o indicador do gázoil. Aterrado, constatou que o ponteiro não se movia, o que queria dizer que estavam nas últimas. Para completar o azar, o pessoal estava quase sem cheta. Fez-se uma vaquinha pelos doze cavaleiros do apocalipse e conseguiu-se ajuntar cerca de quinhentos paus*. Enfim, não era muito, mas devia chegar para o resto da noite.

Descendo sempre com o motor desligado, alcançaram as bombas e...

Ver Mais

“24 HORAS”, de João Carlos Brito

“24 HORAS”, de João Carlos Brito As gloriosas noites de tourada de Tó Morcego 5.ª hora

Não imagina, amigo leitor, a quantidade de e-mails que me têm chegado nestas últimas semanas. Se algum dia soubesse a polémica, a admiração e a indignação que iria provocar nos mais variados meandros, jamais teria iniciado esta novela que, afinal, não é mais do que a enumeração de algumas vivências, de sabedoria acumulada na escola da vida e que poderá, eventualmente, encarnar alguns ideais desta bela cidade, o nosso Porto. Todavia, esta minha viagem pela...

Ver Mais

“24 HORAS”, de João Carlos Brito

“24 HORAS”, de João Carlos Brito As gloriosas noites de tourada de Tó Morcego 4.ª hora

Sem nada pronunciar, inseriu, tremulamente, a chave na ignição da fragonete. São, cumprindo, na perfeição, o seu papel de mulher submissa, deixava-lhe toda a iniciativa. Geralmente, Tó Morcego fazia o serviço mesmo ali, no aparcamento da Romano’s. Mas, naquela noite, pelos vistos o pessoal todo tivera a mesma ideia. O local mais se assemelhava a uma feira popular, tais os barulhos inusitados dos amortecedores dos veículos vizinhos e os ruídos guturais e exclamativos...

Ver Mais

“24 HORAS”, de João Carlos Brito

“24 HORAS”, de João Carlos Brito As gloriosas noites de tourada de Tó Morcego 2.ª hora

À uma hora em ponto, todos se precipitavam para a fragonete do Bítaro, que servia de meio de locomoção a mais de uma dúzia de mafiosos. Todos comprimidos, insultavam-se mutuamente para que a travessia do Alto da Serra* não fosse tão penosa. Nos lugares da frente, sentavam-se Tó Morcego e o motorista (o Bítaro), longe da azáfama do rebanho que atrás seguia. À saída de S. Pedro, mandavam-se umas bocas inofensivas às prostitutas que por lá proliferavam, provando aí,...

Ver Mais

"24 HORAS", de João Carlos Brito

As gloriosas noites de tourada de Tó Morcego 1.ª hora

O relógio da torre acabava de soar as doze badaladas. No Bairro do Cerco, Tó Morcego, como em todas as noites de sábado, preparava-se para ir curtir. Durante cinco dias a fio, trabalhara arduamente. Eram quarenta horas a recolher o lixo dos outros. Dois mil e quatrocentos intermináveis minutos a correr atrás do camião do lixo. Cento e quarenta e quatro mil segundos a lançar violentamente as sacas do Continente para a máquina deglutinadora. As primeiras horas do fim de...

Ver Mais

Hora de gargalhar, Porto! Vem aí o "Sai de Baixo Tripeiro"

Hora de gargalhar, Porto! Vem aí o

Depois de três sextas-feiras de animação e gargalhadas, “Sarilhos & Cadilhos” prepara-se para encerrar a sua mini-temporada de 2023, com a apresentação do 4º e último episódio “Papel Principal”. O espetáculo acontece a 3 de novembro, sexta-feira, às 21h30, no Auditório da Cooperativa de Ramalde.

Provavelmente já terá ouvido falar no conceito de “Sarilhos & Cadilhos”, que se trata de “uma comédia apresentada ao público por episódios semanais onde apresenta uma família tipicamente portuguesa....

Ver Mais

Os clássicos contados à Moda do Porto

Os clássicos contados à Moda do Porto Mano Pinto de Sousa Capítulo III

Na tasca do Jaquim, que ficava mesmo no rés-do-chão por baixo do apartamento, naquela manhã, o falatório era o sucedido com a Leninha. Na mesa mais sombria, entre um fino e tremoços, Manel e Jorge lamentavam a má sorte.

– Mano, foi tudo c’o caraças…

– Calma, Manel. Já tratei de tudo.

Jorge, que tinha bons contactos na igreja, controlara a situação. Iam todos para o convento. Manel nem queria acreditar.

– Mas tu passaste-te ou...

Ver Mais

Os clássicos contados à Moda do Porto

Os clássicos contados à Moda do Porto Mano Pinto de Sousa Capítulo I

No único canto da iluminada sala onde a luz não incidia, Madalena lia as 50 Sombras de Grey. Mas faltava-lhe a concentração. Parou numa passagem em que a ação não era grande coisa e a personagem principal se queixava de ser vítima do infortúnio. Ficou a queimar os neurónios, a recordar o seu Manel e a conversa que com ele tivera, na manhã, antes dele ir trabalhar.

-Môr, quando é que nos mudamos pr’ó Porto?

-Deixa-te de tretas, Madalena. Anda aqui pr’à beira da...

Ver Mais

Os clássicos contados à Moda do Porto

Os clássicos contados à Moda do Porto Os Tripíadas Parte 5

Foram dois dias bem passados na Lourinhã. Abasteceram-se e prosseguiram viagem, rumo à Ericeira. A assinalar, apenas, mais uma tempestadezita em Porto Novo que, com maior ou menor dificuldade, superaram. E, por fim, chegaram à capital do Surf, facilmente identificável pela pessegada de gente a praticar aquele desporto da moda. Na verdade, a maior parte deles só andava com a prancha em terra, porque dava estilo, mas o que realmente interessava é que tinham uma missão a cumprir.

Não houve pincel....

Ver Mais