PUB
Philips S9000

Vacina de Oxford para a Covid-19 produz “resposta imunitária robusta” a pessoas com mais idade

Vacina de Oxford para a Covid-19 produz “resposta imunitária robusta” a pessoas com mais idade

A vacina experimental para a Covid-19 que está a ser desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca estimulou a produção de anticorpos e de linfócitos T “em pessoas com mais idade”, limitando a evolução da doença com gravidade.

De acordo com os resultados preliminares publicados esta segunda-feira pelo jornal “Financial Times”, e que deverão ser publicados em breve numa revista científica, a vacina de Oxford para a Covid-19 produziu uma resposta imunitária robusta em pessoas mais velhas, o grupo mais vulnerável.

Segundo indica o Jornal de Noticias, a vacina estimulou a produção de anticorpos e de linfócitos T “em pessoas com mais idade”, limitando a evolução da doença com gravidade.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

Esta “resposta imunitária robusta” em pessoas mais velhas foi confirmada por duas fontes próximas da investigação e vai de encontro à análise divulgada em julho, na revista “The Lancet”, que dava conta da segurança da vacina, que gerava “respostas imunológicas robustas” em pessoas com idade entre os 18 e os 55 anos.

De recordar que os testes da vacina tiveram de ser suspensos em setembro devido a uma reação adversa grave registada num voluntário. Os ensaios clínicos foram retomados poucos dias depois.

Segundo explica o jornal Público, a vacina da Universidade de Oxford é feita com “vectores virais: servem-se de um vírus modificado (um adenovírus de chimpanzés que não se replica) que entrega nas células humanas um fragmento do próprio material genético, levando-as a produzir uma proteína que imita a do SARS-CoV-2”.

PUBLICIDADE

PUB
PD- Revista Sabe bem