PUB
Recheio 2024 Institucional

UPorto desenvolve calçado para pessoas com paralisia cerebral

UPorto desenvolve calçado para pessoas com paralisia cerebral
Contribuir para a mobilidade e qualidade de vida de pessoas com paralisia cerebral é o principal objetivo do projeto académico “RITA.RED.SHOES”.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

“Pretendemos desenhar sapatos que, muito embora adquiram o estatuto de ‘par único’, confiram conforto, segurança e aumentem a autoestima dos utilizadores, que devem ter acesso a objetos tão desejáveis, sob o ponto de vista estético, quanto os estandardizados”, declarou à agência Lusa a coordenadora do projeto e designer Lígia Lopes.
“O objetivo do projeto ‘Rita.Red.Shoes.cerebralpalsy.designproject2015’ é despertar os estudantes de design industrial para temáticas para as quais o design é inquestionavelmente essencial”, referiu, acrescentando que o que se pretende é que “os estudantes percebam que existem lacunas no design a esse nível em Portugal e que, a partir daqui, se abram caminhos para trabalhos futuros”.
O projeto, desenvolvido pelas Faculdades de Engenharia e de Belas Artes da Universidade do Porto (FEUP/FBAUP), assenta em dois tipos de ação. A primeira, que decorre até terça-feira, consiste num ‘workshop’ em que os estudantes do mestrado de Design Industrial e de Produto vão integrar equipas de projeto multidisciplinares e nas quais participam pessoas com paralisia cerebral, coordenado por Lígia Lopes (FEUP), em coorientação com o designer Matt Dexter, da Universidade Sheffield Hallam, do Reino Unido. Neste ‘workshop’ participa a Associação Paralisia Cerebral de Coimbra (APCC)”, com a presença do ortopedista Deolindo Pessoa e da fisioterapeuta Cristina Soutinho, bem como designers de produto, modelação 3D, calçado e outros profissionais de várias áreas.
A segunda ação prolonga-se pelo segundo semestre de aulas da Unidade Curricular Projeto Design Industrial na FEUP.
“Se o projeto conseguir atingir os objetivos expectáveis, será uma boa oportunidade para desenvolver os produtos e prepará-los para o mercado. Daí ser essencial a parceria que temos com a Klaveness, que trará ao projeto conhecimentos práticos na conceção de sapatos ortopédicos e na concretização de protótipos que serão expostos em Sheffield (Reino Unido), em julho, e no Porto em novembro”, afirmou Lígia Lopes.

PUBLICIDADE