PUB
CIN - Branco Perfeito

Mala Voadora apresenta “Uma Família Inglesa”

Mala Voadora apresenta
Entre esta quinta-feira e domingo, a companhia de teatro Mala Voadora vai acolher, no Porto, três espetáculos de criadores britânicos, na quarta edição do “quase-festival” “Uma Família Inglesa”.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

No âmbito do programa “Uma Família Inglesa”, vão passar pelo espaço da Mala Voadora (Rua do Almada nº 277) os espetáculos “History, History, History”, de Deborah Pearson, “Story #1”, de Greg Wohead e Rachel Mars, e “I Could Go On Singing (Over the Rainbow)”, de FK Alexander.
Entre artistas consagrados ou com trajetórias mais recentes, este programa traz ao Porto “uma seleção das mais inovadoras propostas de teatro e performance produzidas atualmente no Reino Unido”, diz a companhia.
A ideia de “Uma Família Inglesa” sempre foi programar “espetáculos com artistas diretamente ligados à companhia” e aos trabalhos dos seus membros, explicou à Lusa o diretor artístico Jorge Andrade, que deu o exemplo de Chris Thorpe, um dos primeiros colaboradores que se tornou “um dos ‘primos’ ingleses que iam recomendando outros primos”.
“Esta família [de 2018] já é a partir de primos, a partir de primos, a partir de primos, as famílias alargam-se assim”, referiu.
Para esta edição, o diretor artístico espera ter “lotação esgotada”. Em 2018, há um reforço do número de apresentações, com duas récitas por cada peça, uma por dia, com a exceção da peça de FK Alexander, numa estratégia que surgiu “em articulação com outros espaços da cidade”.
“I Could Go On (Singing over the rainbow)” será apresentado durante uma hora pelas 22h desta quinta-feira, mas tem também uma versão de várias horas, que em 2016 venceu, no festival Fringe de Edimburgo, o prémio para Artista Emergente e o Autopsy Award, ambos para FK Alexander.
O espetáculo de Alexander, visto em Edimburgo por Jorge Andrade e José Capela, é “uma experiência única”, na qual a performer canta uma versão de “Somewhere Over the Rainbow”, acompanhada pela voz de Judy Garland e a dupla de ‘noise’ Okishima Island Tourist Association, para um único membro do público de cada vez, que tem de se aproximar da artista.
“Story #1”, do norte-americano Greg Wohead e da britânica Rachel Mars, é uma reflexão sobre o lugar do teatro numa sociedade ávida de ‘reality shows’ e redes sociais, e será apresentada na sexta-feira pelas 22h e no sábado pelas 18h.
No sábado e no domingo, pelas 22h, será apresentada “History, History, History”, trabalho da britânica Deborah Pearson, que se estreou em Portugal a 22 de fevereiro, na Culturgest, e que chega ao Porto pela primeira vez.
Em palco, será projetada uma comédia húngara em torno do futebol, que se deveria ter estreado a 23 de outubro de 1956, no Corvin Cinema, sede da revolução naquele país.
Além das apresentações, “Uma Família Inglesa” conta ainda com uma residência de escrita do português Xavier de Sousa, residente em Brighton, Inglaterra, com o natural de Montemor-o-Velho a trabalhar numa adaptação do espetáculo “Post”, atualmente em digressão, para “o contexto pós colonial português”.

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/novo-ano-nova-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=cpc&utm_campaign=sabebem&utm_term=leaderboardmobile