Comida Fresca - Dia dos Namorados - PD

Tráfego no Aeroporto Francisco Sá Carneiro cresceu 9,8% em 2019

Tráfego no Aeroporto Francisco Sá Carneiro cresceu 9,8% em 2019

Os 10 aeroportos portugueses geridos pela Vinci Airports processaram um total de 59.120 milhões de passageiros em 2019, número que representa uma subida de 6,9% face ao ano anterior. Lisboa ultrapassou os 30 milhões de passageiros, mas o maior crescimento foi registado no Porto.

“Os 10 aeroportos em Portugal movimentaram quase 60 milhões de passageiros em 2019, com o tráfego a aumentar 6,9%. Os aeroportos do Porto e de Lisboa, com taxas de crescimento de 9,8% e 7,4%, respetivamente, são dois dos mais dinâmicos da União Europeia”, refere a nota da Vinci Airports.

O aeroporto de Lisboa foi o que registou um maior número de passageiros processados – 31.173 milhões de passageiros, o que traduz um aumento de 7,4% face a 2018. No Porto, foram contabilizados 13.105 milhões de passageiros, uma subida de 9,8%, tendo sido a mais expressiva entre as infraestruturas aeroportuárias nacionais geridas pela Vinci Airports.

Em Faro, foram contabilizados 9.009 milhões de passageiros, um crescimento de 3,7%. Pelo aeroporto da Madeira passaram 3.370 milhões de passageiros, uma subida de apenas 0,7%, a mais fraca entre as infraestruturas nacionais gerida pela Vinci Airports. Nos Açores houve um aumento de 6,2% no total de passageiros processados, que chegou aos 2.463 milhões.

Na informação divulgada, a Vinci diz entrar “confiante em 2020, ano em que continuará a implementar vários projetos de grande importância, concebidos para apoiar o crescimento do tráfego e melhorar a experiência do cliente”. Entre esses projetos está o “lançamento da renovação do Terminal 1 e ampliação da capacidade do Aeroporto Internacional de Kansai, a porta de entrada da World Expo 2025 em Osaka”, a “ampliação e renovação, em sinergia com a VINCI Construction, dos aeroportos de Belgrado, o futuro hub do aeroporto na Europa Oriental; do aeroporto de Santiago do Chile, com entrega integral prevista para o final de 2021; e do aeroporto de Sihanoukville no Camboja”.

“Em Lisboa, a VINCI Airports continuará a trabalhar com o Governo português para convertera base aérea militar do Montijo num aeroporto civil e para modernizar o Aeroporto Humberto Delgado. O objetivo deste projeto é aumentar a capacidade de receber passageiros na capital portuguesa, acomodando o crescimento de tráfego esperado para os próximos anos”, refere a nota.

“A transição para a neutralidade carbónica, transversal a toda a rede VINCI Airports, continuará em 2020. Em breve serão instalados novos parques solares em Portugal, no Camboja e na República Dominicana. Atualmente, três aeroportos da rede (Londres Gatwick, Lyon e Liberia-Guanacaste na Costa Rica) já atingiram a marca da neutralidade carbónica. Nos últimos cinco anos, a VINCI Airports reduziu a sua pegada de carbono em 20% e estabeleceu uma meta adicional de redução desta pegada de 50% até 2030”, acrescenta a empresa.

“Com 255 milhões de passageiros atendidos em 46 aeroportos em 2019 (+ 5,7 relativamente a 2019, em base comparável) em 12 países, a Vinci Airports consolidou sua posição de segundo maior operador aeroportuário do mundo em termos de número de passageiros”, salienta ainda a empresa.

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/sabe-bem-poupar-todos-os-dias/?utm_source=vivaporto&utm_medium=banner&utm_term=banner&utm_content=27012023-edicao71utm_campaign=sabebem