RECHEIO 50 ANOS

Ténis Portugal – A Carreira de João Sousa

Ténis Portugal – A Carreira de João Sousa

A carreira profissional de João Sousa conta mais de uma década de êxitos individuais e colectivos, cujo pináculo coincidiu com a sua ascensão, num primeiro momento, ao lugar n.º 28 do Ranking ATP de Singles em 2016 e, mais tarde, ao posto n.º 26 do Ranking ATP de Doubles em 2019. Nesse sentido, tende a ser aclamado, tanto a nível nacional como internacional, como o melhor tenista português da História.

Com quatro triunfos em doze finais disputadas no Circuito ATP, João Sousa constitui igualmente um repositório das esperanças não só dos entusiastas de ténis, mas também dos apostadores da modalidade, que, através do sítio Mightytips encontrarão ao dispor dados e sugestões relativamente a sites de apostas de tenis e ao tenista português em particular. Aliás, sendo que atualmente se encontram licenciadas em Portugal diversas operadoras credíveis e seguras, é possível fazer uso deste artigo e submeter apostas em ténis através do computador ou do telemóvel. Basta encontrar as casas com as odds mais apetecíveis, criar uma conta de utilizador, e os prognósticos de ténis hoje talvez possam ser os ganhos de amanhã! 

João Sousa, o Melhor Jogador de Ténis Portugal

Com o nome completo de João Pedro Coelho Marinho de Sousa, o atleta actualmente situado em 82.º no Ranking ATP (Dezembro de 2022) nasceu em Guimarães, norte de Portugal, a 30 de Março de 1989, facto que lhe tem valido a alcunha de ‘o Conquistador’. A estatura de João Pedro é de 1,85 m, o nome do seu treinador é Frederico Marques, e a sua mão preferencial é a destra, embora execute o backhand com ambas as mãos.

Todos as finais que disputou dizem respeito à categoria de Singles, tendo os seus quatro títulos sido obtidos nas seguintes localidades e datas:

  • Kuala Lumpur, MAS, 2013 (Superfície coberta, piso rápido);
  • Valência, ESP, 2015 (Superfície coberta, piso rápido);
  • Estoril, POR, 2018 (Ar livre, terra batida);
  • Pune, IND, 2022 (Ar livre, piso rápido).

Por sua vez, as oito restantes finais jogadas – e perdidas – ocorreram em:

  • Bastad, SWE, 2014 (Ar livre, terra batida);
  • Metz, FRA, 2014 (Superfície coberta, piso rápido);
  • Genebra, SUI, 2015 (Ar livre, terra batida);
  • Umago, CRO, 2015 (Ar livre, terra batida);
  • São Petersburgo, RUS, 2015 (Superfície coberta, piso rápido);
  • Auckland, NZL, 2017 (Ar livre, piso rápido);
  • Kitzbuhel, AUT, 2017 (Ar livre, terra batida);
  • Genebra, SUI, 2022 (Ar livre, terra batida).

João Sousa: Entre as Apostas em Ténis e o Ténis Hoje

Até à data, com um total de 216 vitórias e 258 derrotas em partidas de Grand Slam, Circuito ATP e Taça Davis (singulares), João Sousa representa, em matéria de apostas em ténis, uma escolha válida e interessante, até porque, atendendo a todos as suas conquistas do Circuito ATP, as respectivas finais sucederam sempre contra oponentes com melhor cotação.

Contudo, em contexto de pares, o índice de triunfos, não sendo significativamente menor, é todavia menos satisfatório, representando não mais do que 42% (100 vitórias e 138 derrotas). Ou seja, a estatura de João Pedro surge mais destacada em jogos de Singles, sendo por isso mais recomendável a opção por apostas nesse sentido.

Além do mais, se tivermos em consideração a cronologia de todas as meias-finais da sua carreira, verificamos que, num universo de 20, quase todas (19) foram alcançadas entre 2013 e 2019, o que sugere um decréscimo qualitativo ao longo dos últimos três anos – tanto mais que, em Singles, o jogador caiu cerca de oitenta posições entre o ano de 2019 e o ano de 2021. 

Só que com João Pedro sucesso é garantido, e, talvez contrariamente ao que seria expectável, vamos testemunhando o que aparenta ser um certo rejuvenescimento do tenista português, coroado com a vitória em Pune. A bem da verdade, diga-se que o índice de sucesso alusivo a 2022 não é isento de problemas: 42%, com um saldo de 25 vitórias e 34 derrotas. Se exceptuarmos o ano de 2020, em grande medida comprometido por causa da Covid-19, constatamos ser o ano menos frutífero do atleta desde 2014.

Por último, salientemos o baixo aproveitamento de João Sousa em piso relvado, destacando que, ao longo da sua performance profissional, somente em três temporadas obteve saldo positivo em semelhante superfície: 2013, 2014, 2019. Sem dúvida que constitui o calcanhar de Aquiles daquele que é o melhor jogador de ténis Portugal, não augurando por isso bons prenúncios no que respeita a apostas em ténis.

Conclusão

Ainda que seja razoável admitir que o pico da carreira de João Sousa foi atingido faz algum anos e que, nos tempos que correm, vai seguindo uma trajectória levemente descendente, em todo o caso podemos argumentar em favor de uma maior capacidade de aproveitamento, pois, ao chegar em 2022 à primeira final desde 2018, o tenista natural de Guimarães não vacilou e arrecadou o troféu.

Quanto a palpites e prognósticos em ténis hoje, sublinharíamos apenas que, ao longo do ano que agora finda, João Sousa venceu quase todas as partidas em que era favorito, por outro lado perdendo quase todas aquelas em que era o underdog. Ou, dito de outra forma, com João Pedro sucesso em apostas é um cenário perfeitamente ao alcance, desde que em princípio seja salvaguardada uma abordagem de natureza mais ou menos conservadora. 

Artigo patrocinado

Foto: Facebook João Sousa

PUB
www.pingodoce.pt/folhetos/?utm_source=cm&utm_medium=cpc&utm_term=leaderboardmobile&utm_content=etaobompouparassim&utm_campaign=institucional