PUB
Recheio 2024 Institucional

Teatro Municipal do Porto

Teatro Municipal do Porto
À espreita da rentrée do Rivoli e do Campo Alegre

A apresentação do programa do Teatro Municipal do Porto (TMP) para o último quadrimestre de 2015 só está agendada para setembro, mas já é possível ‘levantar a ponta do véu’ para revelar alguns segredos. Nos últimos meses do ano, agitação será a palavra de ordem nos palcos do Rivoli e Campo Alegre, tal como avisou o diretor artístico, Tiago Guedes, em declarações recentes ao jornal Público. “O último quadrimestre deste ano vai ser especialmente exaustivo: além das estreias de todos os espetáculos que encomendámos, teremos o Festival Internacional de Marionetas do Porto, o Circular – Festival de Artes Performativas, o Porto/Post/Doc, a Festa do Cinema Francês… Em 2016 sim, vamos abrandar, mas neste primeiro ano era importante que o máximo de pessoas e o máximo de atividades passassem por aqui”, adiantou.

Meg Stuart em residência artística no Porto

A primeira surpresa a desvendar? A chegada da coréografa americana Meg Stuart que, nos meses de setembro e outubro, estará no TMP, em residência artística, a preparar a sua nova criação para 2016. Mas durante esse período, haverá também a estreia em meg_stuartPortugal do novo espetáculo do encenador argentino Rodrigo García, “Quatro”. Na verdade, antes de se transformar numa espécie de celebridade do teatro europeu, o dramaturgo foi, ao longo de vários anos, uma das atrações do Citemor – Festival de Montemor-o-Velho, pelo que já tem uma forte ligação ao público português. E entre as novidades consta ainda a apresentação, em solo português, de “D’après une histoire vraie”, do coreógrafo francês Christian Rizzo, para dez bailarinos e dois bateristas.

Dezoito estreias nacionais

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

Mas também há muitas companhias da cidade que vão voltar aos palcos do TMP nesta rentrée: haverá 18 estreias e/ou co-produções com estruturas e criadores nacionais (a somar às 6 estreias internacionais). O público portuense poderá assistir, por exemplo, aos novos espetáculos do Teatro da Palmilha Dentada, da coreógrafa Né Barros e dos Radar 360º, vencedores da primeira Bolsa Isabel Alves Costa. O ritmo prometido para os últimos meses do ano nas salas do Rivoli e do Campo Alegre surge no âmbito do desejo desde sempre assumido pelo novo diretor artístico: o de devolver o teatro ao Porto. Ainda antes de assumir funções, o artista, que já dirigiu os teatros municipais de Alcanena e Torres Novas, reconheceu que, nos últimos anos, “o Porto perdeu muito público para outras cidades” vizinhas, sublinhando ser urgente “que o teatro comece a funcionar”. “Para isso é preciso conquistar as pessoas”, acrescentou.

apresunehistoirevraieBailarino, coreógrafo e programador

Natural de Leiria e criado em Minde, Tiago Guedes fez-se bailarino na Escola Superior de Dança de Lisboa, para onde foi viver aos 18 anos. Ainda assim, as primeiras páginas da sua vida artística haviam começado bastante mais cedo. “Comecei a estudar de uma forma completamente orgânica aos seis anos. Não por vontade própria, mas por vontades familiares”, contou. Entretanto, aos 16, já num grau de ensino em que se apercebeu de que teria de passar algumas horas por dia a estudar, recuou. “Achei que era muito novo para escolher a minha vida”, afirmou, acrescentando que, nessa altura, surgiu a dança, na sequência de um modelo de ensino piloto na escola secundária que frequentava e que, na via artística, tinha o teatro e a dança como disciplinas obrigatórias.

No seio familiar, Tiago encontrava desde apoio incondicional a tentativas subtis de o levar à mudança. Contudo, as suas decisões sempre foram respeitadas. Foi bailarino da Companhia de Dança de Almada ao longo de duas temporadas, chegou a trabalhar como “barman”, durante um ano, no Lux, e, depois, conseguiu aproveitar todas as oportunidades que havia para os jovens – e “infelizmente, havia bem mais apoios na altura do que agora” – notou. Percorreu vários palcos internacionais e, em França, foi coreógrafo associado do Théâtre Le Vivat, no Norte do país, entre 2006 e 2008, altura em que descobriu a ‘veia’ de programador.

PUBLICIDADE