PUB
Junta da Galiza

Sistema de videovigilância no Porto foi aceite por maioria

Sistema de videovigilância no Porto foi aceite por maioria

Na Reunião de Executivo Municipal, realizada na passada segunda-feira, ficou aprovada por maioria, o protocolo de cooperação a celebrar entre o Município e a PSP para a implementação e instalação de 79 câmaras de videovigilância na Baixa do Porto.

Dada a aprovação da proposta fica apenas pendente a aceitação da mesma por partedo Ministério da Administração Interna, a quem a PSP irá remeter o protocolo assinado com o Município. Além disso, a Comissão Nacional de Proteção de Dados será chamada a dar parecer, embora o mesmo não seja vinculativo.

Para a Câmara do Porto e a PSP este é o “único meio auxiliar manifestamente adequado para a protecção de pessoas e bens e para a prevenção da prática de factos qualificados pela lei como crimes”.

Segundo Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, a instalação dos equipamentos deverá ser efetuada no prazo de seis meses.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

António Leitão da Silva, o comandante da Polícia Municipal, informa que neste momento a área de intervenção está delimitada “do Marquês à linha do rio”, no entanto, esperam que o sistema cubra “três áreas da cidade”, tinha já avisado o presidente da Câmara do Porto, detalhando que além do Centro Histórico, a videovigilância deverá chegar a uma zona mais oriental, “na Asprela”, considerando a grande movimentação de estudantes nessa área, e ainda a “uma parte da zona ocidental”, nomeadamente nas proximidades dos bairros municipais da Pasteleira e de Pinheiro Torres.

A Câmara Municipal assume as despesas inerentes à instalação e manutenção do sistema de videovigilância e uma sala, já pronta a operar, no Centro de Gestão Integrada (CGI), que consideram um “investimento significativo”. A operacionalização cabe à PSP.

“A videovigilância não é uma panaceia. Não vai resolver tudo. Mas terá seguramente um impacto quer naquilo que são as ameaças que a população hoje sente, quer nos riscos assimétricos, que em Portugal, neste momento, não temos, mas que amanhã podemos ter”, defendeu Rui Moreira.

O presidente da Câmara do Porto alertou ainda o órgão executivo para os “escassos meios” humanos da PSP, referindo que, nos últimos anos, a escola da polícia “praticamente não formou agentes da PSP”. “Temos assistido a um desinvestimento fortíssimo na PSP e os recursos físicos são de fraquíssima qualidade”, observou.

PUBLICIDADE

PUB
PD-Bairro Feliz