Revista Sabe Bem PD - julho/agosto

Será que 2022 é o ano para Investir em Ações de Energia?

Será que 2022 é o ano para Investir em Ações de Energia?

Apesar de muita campanha e celebração, as reservas de energia renovável enfrentaram um ano desafiante em 2021, incluindo uma seleção diversificada de ações tais como mineiros de lítio, produtores de células de combustível de hidrogénio e fabricantes de painéis solares.

Em geral, as empresas de energias renováveis constataram os preços médios das suas ações baixar cerca de 5% ao longo do ano, em comparação com o desempenho médio do S&P, que ganhou quase 27%.

Mas será que esta tendência irá continuar, ou  será 2022 um bom ano para os investidores se comprometerem com os stocks de energia? Vamos descobrir!

Bases Fortes e Oportunidades no Declínio

Evidentemente as ações no sector da energia têm sofrido dificuldades devido a numerosos fatores, particularmente a perspetiva de subida contínua das taxas de juro que afastam os investidores de ações com potencial para alto crescimento.

A incerteza regulamentar também tem impacto no sentimento do mercado, particularmente com despesas planeadas superiores a 500 mil milhões de dólares como parte da proposta de lei “Build Back Better” nos Estados Unidos, tendo sido paralisada devido à pandemia do coronavírus.

O aumento das faturas de energia e as questões globais da cadeia de abastecimento também têm um impacto negativo no sentimento, e não há sinais imediatos de que estas questões se atenuem em breve.

Contudo, é justo dizer que os aspetos fundamentais das empresas de energias renováveis permanecem fortes, e a queda dos preços das ações não se refletiu nas receitas ou nos lucros finais.

Da mesma forma, a maioria das empresas de energias renováveis registou lucros trimestrais mais fortes do que o esperado no início de 2022, o que sugere que há um valor considerável em visar açoes CFD e títulos de energias renováveis como investimentos “buy-and-hold”.

Além disso, precisamos de considerar a desvalorização das ações de energia em 2021 de uma forma positiva. Mais especificamente, as descidas de preços que não são impulsionadas por bases instáveis criam uma oportunidade de investir em ações quando estas oferecem um valor adicional pelo dinheiro, permitindo que os investidores experientes possam ganhar mais dinheiro no futuro.

Então, será 2022 o Ano do Investimento na Energia?

Neste aspeto, 2022 pode de facto criar o leque perfeito para os investidores no mercado das energias renováveis.

Isto é corroborado por um clima regulamentar cada vez melhor, particularmente na sequência da COP26 e da crescente urgência de enfrentar as alterações climáticas a nível internacional.

Sem dúvida, os governos de todo o mundo pretendem acelerar a regulamentação a favor da energia limpa, dando poder tanto a empresas individuais como investindo em infraestruturas verdes e de baixo carbono.

Dado isto e a recuperação global gradual do coronavírus, poderemos ver os investimentos verdes registarem um crescimento exponencial nos próximos meses. Certamente veremos as empresas no sector beneficiarem de potenciais benefícios fiscais e esquemas, e o sentimento do mercado irá certamente aumentar devido a isto. Definitivamente esta é uma área a observar a curto prazo, mas poderá ter de agir rapidamente se quiser capitalizar as ações subvalorizadas e otimizar a rentabilidade.

Artigo Patrocinado

PUB
www.pingodoce.pt/campanhas/sabor-do-mes/?utm_source=cm&utm_medium=banner&utm_term=leaderboardmobile&utm_content=peixe&utm_campaign=sabordomes