PUB
Recheio 2024 Institucional

São Pedro da Cova quer esclarecimento sobre futuro do local das antigas minas

São Pedro da Cova quer esclarecimento sobre futuro do local das antigas minas

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR
O processo de remoção dos resíduos depositados em São Pedro da Cova deverá ficar concluído no final deste mês.

O presidente da União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova, Daniel Vieira, informou esta segunda-feira ter solicitado uma reunião ao Ministério do Ambiente para esclarecer quantas toneladas de resíduos perigosos estão a ser removidas de Gondomar e qual o “futuro imediato” do local. Segundo explicou o responsável, o pedido foi feito com “caráter urgente” porque “o processo de remoção está na fase final” e “não se pode correr o risco de que corra mal”.
De recordar que em causa está a remoção de milhares de toneladas de resíduos industriais provenientes da Siderurgia Nacional e depositados naquela freguesia entre maio de 2001 e março de 2002. Ao longo dos anos, foi avançado que existiriam 88 mil toneladas de resíduos. Ainda assim, o caderno de encargos do concurso público feito com vista ao processo de remoção – num investimento superior a 13 milhões de euros, 85% provenientes de fundos europeus – aponta para a existência de 105.600 toneladas. Dados da CCDR-N, entidade que está a monitorizar o processo, indicavam que o processo de remoção deveria terminar no final deste mês.
Entretanto, Daniel Vieira sublinhou que, durante uma visita efetuada a 13 de março ao Centro Integrado de Recuperação, Valorização e Eliminação de Resíduos Perigosos (CIRVER) na Chamusca, local para onde estão a ser encaminhados os resíduos de São Pedro da Cova, foi-lhe comunicado que já teriam lá chegado “cerca de 100.000 toneladas”. “A primeira questão que colocamos prende-se com a quantidade de resíduos que vão ser retirados. Várias vezes temos ouvido dizer que o contrato vai ser cumprido e, portanto, são cerca de 105.000 toneladas de resíduos, mas não basta dizer que se cumpre o contrato. O processo tem tudo para ter um final feliz, mas há questões que têm de ser esclarecidas”, defendeu.
O autarca pretende, assim, propôr ao Ministério do Ambiente que o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) fique responsável “pela confirmação da quantidade de resíduos e pelo andamento do processo de remoção”. O presidente da União das Freguesias frisou ainda que, depois da retirada no estaleiro de obras, ficará “um enorme buraco” no local. “Não chega colocar lá as terras limpas. É necessária uma solução urgente, independentemente das candidaturas comunitárias de que se falam”, acrescentou, referindo-se ao projeto que diz respeito ao “Pulmão Verde” da Área Metropolitana do Porto, pensado pelas câmaras de Valongo, Gondomar e Paredes.

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/novo-ano-nova-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=cpc&utm_campaign=sabebem&utm_term=leaderboardmobile