CM Matosinhos

Rir faz bem à sua saúde

Rir faz bem à sua saúde

O Dia Internacional do Riso, que se celebra a 18 de janeiro, chama a atenção para a importância de rir. Todos sabemos que, quando rimos, sentimo-nos melhor.

Diversas pesquisas científicas já validaram esta verdade milenar: o riso reforça o nosso sistema imunitário e melhora a saúde.

Rir traz benefícios sociais, como a melhoria da autoimagem, da autoconfiança, da saúde mental e do bem-estar geral. A Lusíadas Saúde diz que o riso também ajuda a amenizar o internamento hospitalar – sobretudo em pediatria – e melhora o quadro de depressão e ansiedade pré-operatória. Mas, mais do que isso, segundo Mary Payne Bennett e Cecile Lengacher, da Universidade de Kentucky – que produziram uma série de trabalhos sobre o tema, baseados em investigações feitas pela sua equipa e pela Universidade de Indiana – o riso:

• Reduz os níveis de stresse
Ao facilitar o relaxamento diminui a presença de hormonas do stresse como o cortisol e catecolaminas (adrenalina, noradrenalina e dopamina);

• Reforça o sistema imunitário
Principalmente no que se refere à célula NK (um tipo de glóbulos brancos);

• Diminui os fatores inflamatórios;

• Reduz a pressão arterial.

Rir juntos

Rir é bom, mas é mais fácil fazê-lo se estivermos acompanhados. Robert Provine, neurocientista e professor de psicologia na Universidade de Maryland (EUA), afirmou que temos 30 vezes mais hipóteses de rir se estivermos com alguém, do que se estivermos sozinhos. Numa conversa comum não rimos de piadas, mas para “fazer parte”, como forma de mostrarmos que entendemos e concordamos com o que se diz. Robert Provine acrescenta ainda que rir tem um efeito contagioso, sobretudo se formos “contagiados” por alguém conhecido.

Rimos mesmo quando não queremos

Apesar de ser uma resposta inata, existem dois tipos de riso: o involuntário e o social – mais consciente e forçado. Sophie Scott, neurocientista britânica responsável pelo Instituto de Neurociência Cognitiva na Universidade College, em Londres, revela, inclusivamente que este comportamento é observável nos chimpanzés: “Eles riem de modo diferente quando lhes fazem cócegas ou quando brincam uns com os outros.”

Mesmo em termos acústicos, os risos são diferentes. Mais uma vez, a neurocientista explica: “Os risos verdadeiros são mais prolongados e mais agudos. Quando começamos a rir muito, expiramos o ar dos pulmões com muito mais força do que fazemos voluntariamente. Além disso, começamos a fazer contrações e assobios estranhos. Os risos forçados são normalmente nasalados.”

Uma questão de idade

Saber distinguir o riso real do forçado é algo que vamos desenvolvendo com a idade: as crianças de seis anos parecem ter mais dificuldade em perceber a diferença e, durante a adolescência, a necessidade de pertença leva-nos a não distinguir e querer acompanhar qualquer tipo de riso.

“Não entendemos o riso antes de o cérebro atingir a maturidade no final da adolescência, ou mesmo só aos 30 ou 40 anos”, esclarece Sophie Scott. “Ou perdemos o bom humor à medida que envelhecemos ou isso significa que, como entendemos melhor o riso — e ficamos cada vez melhores nisso — para nos rirmos, precisamos mais do que ouvir pessoas a rir. Precisamos da parte social”.

Outras vantagens de rir

  • Queima de calorias
  • Melhoria da qualidade de sono
  • Fortalecimento abdominal
  • Combate ao surgimento de rugas
  • Melhor circulação sanguínea
  • Melhor respiração
  • Melhoria da digestão
  • Estímulo da criatividade
  • Criação de laços com outras pessoas

Fonte: Lusíadas Saúde e Calendarr.com

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/gastronomia-dos-acores-e-madeira-na-sabe-bem-de-outono/?utm_source=vivaporto&utm_medium=banner&utm_term=banner&utm_content=240921-ta5&utm_campaign=sabebem63

Viva! no Instagram. Siga-nos.