PUB
Recheio 2024 Profissional

Resíduos perigosos de São Pedro da Cova removidos até março

Resíduos perigosos de São Pedro da Cova removidos até março
Mais de 80% dos resíduos perigosos depositados em São Pedro da Cova, Gondomar, já foram removidos, sendo de prever que a operação esteja totalmente concluída em março.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

O processo de remoção das 88 mil toneladas de resíduos industriais provenientes da Siderurgia Nacional e depositadas, entre maio de 2001 e março de 2002, em São Pedro da Cova, Gondomar, teve início em outubro do ano passado e deve estar terminado em março. Até final de maio, os trabalhos de desmontagem de estaleiros devem ficar concluídos, afirmou à agência Lusa o presidente da União de Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova, Daniel Vieira, após uma visita ao local.
O autarca quer agora saber sobre o futuro da zona. “Agora a questão central é: e depois? O que é que está previsto daqui por dois meses?”, questionou Daniel Vieira que, após esta visita de balanço, vai colocar as suas dúvidas ao Ministério do Ambiente.
O espaço tem sido apontado como parte integrante do futuro “Pulmão Verde da Área Metropolitana do Porto”, projeto que está a ser dinamizado pelas câmaras de Gondomar, Valongo e Paredes.
Para Daniel Vieira, e uma vez que será necessário candidatar o projeto a fundos europeus, “falar do Pulmão Verde a médio prazo” não resolve “o problema de imediato”.
“É preciso saber como vai ser a reposição das terras limpas”, referiu, defendendo a requalificação ambiental, mas também a preservação do antigo complexo mineiro a nível cultural.
A Agência Portuguesa do Ambiente divulgou, no passado dia 26 de janeiro, que as águas subterrâneas têm apenas qualidade para rega e não para consumo.
O autarca defende que ações de divulgação e de esclarecimentos junto da população são “indispensáveis”, perante “a gravidade de um problema ambiental” e do relatório de 2011 do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) que dava conta de que “as consequências poderiam não se verificar no terreno, mas sim no futuro, por causa da lixiviação do material”.
No âmbito do processo de retirada dos resíduos, a freguesia de São Pedro da Cova é atravessada diariamente por cerca de 80 camiões. Daniel Vieira exige também que seja avaliado o “impacto” desta empreitada e “compensada” a população.

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/novo-ano-nova-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=cpc&utm_campaign=sabebem&utm_term=leaderboardmobile