PUB
Sogrape - Mateus Rosé

Renovação da linha entre Contumil e Ermesinde prevê a demolição de 21 casas

Renovação da linha entre Contumil e Ermesinde prevê a demolição de 21 casas

A renovação da Linha do Minho entre Contumil (Porto) e Ermesinde (Valongo) prevê a demolição de 88 edifícios ao longo do traçado, dos quais 21 habitações estão atualmente em uso. A informação consta do Estudo de Impacte Ambiental (EIA), consultado esta segunda-feira pela Lusa.

“Com a implementação do projeto serão demolidas noventa construções (oitenta e oito no Troço de Contumil – Ermesinde e duas na Ligação da Rua Garcia da Orta – Rua Padre Joaquim das Neves). Destas habitações, vinte e uma correspondem a habitações em uso, sendo as restantes garagens/anexos/armazéns ou habitações abandonadas”, pode ler-se no documento.

O estudo divide demolições em quatro áreas, sendo a primeira nos concelhos do Porto e Gondomar, a norte da estação de Contumil, “uma zona constituída por um aglomerado de habitações, alguns anexos existentes nos logradouros e uns anexos de apoio a trabalhos agrícolas/abrigos para animais”, na rua da Ranha.

Assim, “pelas características da sua localização (proximidade à via, implicações na estabilidade da estrutura ou outra), verifica-se assim a necessidade de demolição de um conjunto de anexos e/ou outras construções associadas às habitações, sendo de destacar ainda a necessidade de demolição de 2 habitações”.

Na segunda zona, em Rio Tinto, no lado esquerdo “há ainda a referir a demolição de um pequeno anexo”, e no lado direito “está prevista a demolição de uma habitação” onde “atualmente funciona um espaço de culto religioso (…), um conjunto de armazéns com função industrial e ainda alguns anexos/telheiros”.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

Já na terceira, referente à intervenção na estação de Rio Tinto, “as demolições necessárias a executar incidem em cinco habitações, das quais quatro encontram-se devolutas”, estando ainda prevista “a demolição de um conjunto de anexos, garagens e outras construções”.

Na quarta zona, que envolve já os concelhos de Valongo e Maia, as demolições previstas “correspondem a quatro habitações (uma no concelho de Gondomar, uma no concelho da Maia e duas no concelho de Valongo”, sendo que é ainda esperada “a demolição de duas garagens, dois anexos e um armazém”.

A quadruplicação da linha ferroviária do Minho entre as estações de Contumil e Ermesinde deverá avançar em 2024 e custar 120 milhões de euros, segundo afirmou fonte da Infraestruturas de Portugal (IP), à agência de notícias.

De acordo com o EIA publicado no «site» da APA, “a fase de construção do projeto terá a duração de 42 meses, a que acrescem três meses para a montagem e desmontagem dos estaleiros de obra”.

Foto: Facebook Segrob Borges

PUBLICIDADE

PUB
PD-Bairro Feliz