PUB
Junta da Galiza

Qual é a história dos trajes académicos no Porto?

Qual é a história dos trajes académicos no Porto?

Não é propriamente raro vermos turistas, no Porto, a apreciarem os trajes académicos, como algo diferente. Alguns perguntam-se, se calhar, se há alguma relação com as vestes de Harry Potter. Outros ficarão simplesmente curiosos em perceber a origem do traje. Sendo assim, e até porque é importante conhecermos o que é nosso, vamos conhecer a história do traje académico.

Desde já, o Porto tem um papel muito importante nos trajes académicos, no entanto a ideia original não partiu de nós. Para irmos mesmo às origens, temos de dar um saltinho à Universidade de Coimbra, no século XIV. Na época em questão, os estudantes usavam vestes semelhantes às dos clérigos, que eram os únicos autorizados a lecionar e estudar nas universidades.

A tradição começou naquela que é conhecida por ser a “cidade dos Estudantes”, mas alastrou-se pelo país. Posto isto, no século XIX, os estudantes do Porto pensaram diferente e adaptaram o tradicional traje de Coimbra. Sendo assim, ficamos com um traje composto por: uma capa preta, uma batina preta, uma beca de seda da cor da faculdade e um chapéu de pasta.

Mudaram-se os tempos e a sociedade evoluiu, tanto que as mulheres também começaram a fazer parte do mundo universitário. Inicialmente, usavam traje igual ao dos homens, mas de forma a terem uma versão diferenciada, em 1915, foi criado um traje académico feminino específico para o Porto, que consistia em: saia preta, uma blusa branca, uma beca da cor da faculdade e um chapéu de abas largas.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

Há quem relacione o preto com o desapego dos sacerdotes à vida mundana

Os anos passam, mas a tradição vai-se mantendo bem presente. Afinal, a mística universitária também está em todo este simbolismo histórico. Atualmente, os trajes continuam a ser usados, especialmente em ocasiões de destaque, como as serenatas, cerimónias, ou até mesmo o cortejo.

No que toca às cores predominantes do traje, não há confirmações oficiais para a predominância do preto. Se remontarmos ao século XIV, há quem diga que o preto representa o desapego dos sacerdotes em relação à vida mundana. Se é esse o motivo para a cor ter permanecido? Ninguém sabe, ao certo. Poder-se-á supor, por hipótese, que o preto representa o rigor ou até mesmo a elegância. 

Não só no Porto como noutras partes do país, os trajes académicos continuam a ser usados e, como foi possível ver, representam bem mais do que meras peças de roupa. Trata-se de uma tradição e, sobretudo, de um símbolo, que visa fomentar a igualdade entre os estudantes.

Fotografia: Filipa Brito Porto Ponto

PUBLICIDADE

PUB
PD- Revista Sabe bem