Philips

O que deve analisar num simulador de crédito habitação

O que deve analisar num simulador de crédito habitação

Se está a pensar comprar casa, utilizar um simulador de crédito habitação é o primeiro passo e uma etapa fundamental, que irá permitir ter uma primeira noção do intervalo de preços da casa que poderá adquirir, qual a duração do empréstimo e qual o valor da sua prestação. Para além disso, uma simulação de crédito à habitação permite ter acesso a dados muito importantes, que vão ajudar a comparar as diferentes propostas e a optar pela melhor. E se pensa que basta olhar para o spread, é melhor ler este artigo até ao fim.

Compare as simulações de crédito habitação

O primeiro passo para comparar os dados obtidos em simuladores de crédito habitação, começa por comparar o que é comparável, ou seja, é necessário certificar-se desde logo que o valor do empréstimo é o mesmo, assim como o valor da casa, o prazo, o tipo de taxa de juro e os proponentes. Só garantindo que estas informações são iguais nas várias simulações, conseguirá comparar criticamente os indicadores em comum.

Será o Spread o melhor indicador?

Uma das máximas mais vezes repetidas sobre o crédito habitação é a de que o mais importante é o spread e que, ao analisar os dados obtidos através de simuladores de crédito habitação, a proposta que apresentar o spread mais baixo é a que tem menores custos. O que pode não corresponder à verdade.

Antes de mais, é importante perceber que o spread é a margem cobrada pelas instituições financeiras quando concedem um empréstimo, mas que é apenas um dos custos do crédito habitação. Ou seja, uma proposta pode ter um spread mais baixo do que outra e, no entanto, essa entidade, pode apresentar outros custos associados ao crédito à habitação mais elevados. Mas então, de todos os indicadores que um simulador de crédito habitação fornece, em quais se deve focar? É o que vamos explicar de seguida.

Analise o custo total do empréstimo

A melhor forma de comparar as informações obtidas em diferentes simuladores de crédito habitação, é olhar para os custos totais de cada proposta. E para fazê-lo há dois indicadores que deve ter em conta: o MTIC e a TAEG.

O MTIC é o Montante Total Imputado ao Consumidor e representa o valor total que o cliente irá pagar à instituição durante todo o empréstimo. Considerando, para além do valor de crédito concedido, todos os custos associados, nomeadamente juros, comissões bancárias, impostos e outros encargos.

A TAEG é a Taxa Anual de Encargos Efetiva Global e dá também uma visão geral de quanto vai custar o empréstimo. Tem em conta as comissões bancárias pagas (comissão de abertura, de formalização, de avaliação e de processamento da prestação, por exemplo), os juros, as despesas (impostos e emolumentos de registo da hipoteca) e os custos dos seguros associados ao empréstimo (o seguro multirriscos do imóvel e o seguro de vida).

Ao analisar estes indicadores terá então informação mais fidedigna para perceber o impacto financeiro de cada proposta.

Tire partido da informação obtida no simulador de crédito habitação

Em síntese: faça várias simulações, seja consistente nas informações que coloca nos simuladores de crédito habitação e tome uma decisão que não se baseie apenas na proposta com o spread mais baixo, tendo também em consideração o MTIC e a TAEG. Se seguir todos estes passos, estará em melhores condições de tomar uma boa decisão sobre o seu crédito à habitação.

PUB
www.pingodoce.pt/produtos/take-away/encomendas/?utm_source=vivaporto&utm_medium=banner&utm_campaign=encomendasta&utm_term=banner&utm_content=050121-encomendaschef2021

Viva! no Instagram. Siga-nos.