PUB
Recheio 2024 Institucional

Novo Governo com mais ministras do que ministros

Novo Governo com mais ministras do que ministros

O XXIII Governo Constitucional, chefiado por António Costa, vai ser o primeiro na história da democracia portuguesa com mais ministras do que ministros, nove num total de 17.

A lista de ministros do terceiro executivo de António Costa foi divulgada esta quinta-feira, no portal online da Presidência da República, após ter sido apresentada pelo primeiro-ministro indigitado e aceite pelo chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa.

No XXII Governo cessante, na atual composição, há oito ministras num total de 19 ministros, uma das quais com duas pastas, Francisca Van Dunem (Justiça e Administração Interna).

Mariana Vieira da Silva vai subir na hierarquia orgânica do Governo, mantendo-se ministra da Presidência, agora “número dois” do executivo de António Costa.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

Veja aqui a equipa do XXIII Governo:

Primeiro-Ministro – António Costa
Ministério da Presidência – Mariana Vieira da Silva
Ministério dos Negócios Estrangeiros – João Gomes Cravinho
Ministério da Defesa Nacional – Helena Carreiras
Ministério da Administração Interna – José Luís Carneiro
Ministério da Justiça – Catarina Sarmento e Castro
Ministério das Finanças – Fernando Medina
Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares – Ana Catarina Mendes
Ministério da Economia e do Mar – António Costa e Silva
Ministério da Cultura – Pedro Adão e Silva Cardoso Pereira
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – Elvira Fortunato
Ministério da Educação – João Costa
Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social – Ana Mendes Godinho
Ministério da Saúde – Marta Temido
Ministério do Ambiente e Ação Climática – Duarte Cordeiro
Ministério das Infraestruturas e Habitação – Pedro Nuno Santos
Ministério da Coesão Territorial – Ana Abrunhosa
Ministério da Agricultura e da Alimentação – Maria do Céu Antunes

De referir que esta quinta-feira assinala-se um marco histórico em Portugal: são 17500 dia de democracia em comparação a 17499 dias de ditadura, o que representa uma vitória temporal da Democracia.

PUBLICIDADE

PUB
PD- Revista Sabe bem