RECHEIO 50 ANOS

Nascer…de novo

Nascer…de novo

Madalena aprendeu da pior maneira possível que para tudo na vida há limites! Quando acordou já estava na cama do hospital, com a mãe sentada junto a ela. “Pregaste-nos um valente susto”, disse a mãe, num tom entre o desespero e o raspanete!

O coração estava demasiado apertado e as palavras custavam a sair. Quem é mãe percebe melhor que ninguém o sentimento de impotência que uma mulher carrega desde o exato momento em que o nosso filho abandona o nosso corpo e vem ao mundo!

Toda e qualquer mãe daria, sem hesitar, a vida pelo filho! E foi exatamente isso que a mãe de Madalena sentiu quando do outro lado lhe perguntaram ao telefone: “Boa tarde, é a D. Emília, mãe da Madalena? Estamos a ligar do Centro Hospitalar Universitário de São João. Lamentamos, mas a sua filha sofreu um acidente. Já está tudo controlado…” Largou o telefone e enquanto conduzia foi tentando restabelecer a calma, encontrando forças no poço inesgotável de poderes que só as mães conhecem!

Tantas vezes tinha dito à filha para trabalhar menos, descansar mais e alimentar-se melhor. Eram os três pedidos diários que Emília fazia à filha, no habitual telefonema entre ambas.

Mas o trabalho não estava a dar tréguas a Madalena, uma exímia advogada que se destacava entre os colegas de profissão, apesar da pouca experiência e de ainda ser nova. Trabalhadora afincada, abnegada e 100% dedicada à carreira.

Aliás, vivia para trabalhar. Sem ninguém em casa, sem hobbies e sem um cão ou um gato que tanta companhia fazem e pouco dada a amizades, Madalena era a primeira a chegar ao trabalho e a última a sair… tudo estava controlado e era assim que Madalena gostava de sentir o mundo! Um acidente de viação trocou-lhe as voltas à vida e agora sabia que tinha de se (re)encontrar e descobrir forças para recomeçar!

Por sorte, tinha consigo a melhor das companhias: a mãe e com ela ia aprender o valor e o significado da palavra recomeçar! Os pedidos da mãe passariam a ser regras de ouro. Desde esse dia aprendeu a ouvir o seu corpo e a aceitar que o mais difícil, muitas vezes, é saber parar.

Por agora, todavia, o que se impunha mesmo era recomeçar! O trabalho teria de esperar! Madalena já só pensava em como iria levantar-se e encarar a vida!

Pela frente tinha uma longa caminhada!

Andreia Abreu
Autora do livro “Os Dias da Maria”

PUB
 www.pingodoce.pt/responsabilidade/bairro-feliz/?utm_source=cm&utm_medium=banner&utm_term=leaderboardmobile&utm_content=votacao&utm_campaign=bairrofeliz