PUB
Recheio 2024 Institucional

Morreu o cineasta portuense Manoel de Oliveira

O portuense sofria, há vários anos, de insuficiência cardíaca. Ainda assim, cumpriu o seu desejo: filmou até morrer.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

O realizador Manoel de Oliveira faleceu esta quinta-feira de manhã, aos 106 anos. De acordo com o jornal Público, o portuense terá morrido em casa. Com um vasto currículo de mais de quatro dezenas de filmes, o cineasta, que sofria há vários anos de insuficiência cardíaca, cumpriu o seu desejo: filmou até morrer.

A 11 de dezembro do ano passado, precisamente no dia do seu 106.º aniversário, estreou “O Velho do Restelo”, “uma reflexão sobre a Humanidade”, apresentada pela primeira vez no Festival de Veneza.
Nascido em 1908, em Cedofeita, Manoel de Oliveira transformou-se num testemunho da História do último século: no momento do seu nascimento, D. Manuel II era rei de Portugal e quando deu os primeiros passos no cinema, em “Douro – Fauna Fluvial” (1931), os filmes eram mudos e a preto e branco. Em tempos, descreveu a sua própria longevidade como um capricho da natureza, reconhecendo que ter de discursar era sempre mais difícil do que fazer filmes. O nome do realizador era conhecido não só em Portugal, mas em todo o mundo, ou não fosse o mais velho cineasta ainda em atividade do planeta. Ainda que a curta-metragem “O Velho do Restelo” tenha sido a sua despedida do cinema, Manoel deixa ainda aquele que desejou que fosse o seu filme póstumo, intitulado “Visita ou Memória e Confissões”. A obra, autobiográfica, foi filmada em 1982, tendo o realizador dado a indicação de que só poderia ser mostrada publicamente após a sua morte.
Em comunicado enviado às redações, a autarquia portuense informou ter decidido decretar três dias de luto municipal pelo falecimento do realizador. “O luto vigorará esta sexta-feira, sábado e domingo”, frisou, esclarecendo que a decisão já mereceu o consenso dos líderes das bancadas da Assembleia Municipal.

(A VIVA! apresenta as condolências à família do cineasta portuense, que encarava a arte como um ensinamento da condição humana.)

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/novo-ano-nova-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=cpc&utm_campaign=sabebem&utm_term=leaderboardmobile