PD - PEIXARIA - MAIO

Machado Joalheiro

Machado Joalheiro

Abriu, pela primeira vez, as suas portas ao público em 1880 e cerca de oito décadas depois, com a entrada de uma cidadã alemã, que incluiu a Machado Joalheiro, situada na Rua 31 de Janeiro, no conjunto de estabelecimentos emblemáticos a visitar no Porto, atingiu o “número mágico” de um milhão de visitantes anuais de turistas estrangeiros.

O sonho da Machado Joalheiro começou, contudo, a ser construído na Rua do Loureiro, pela mão do comerciante José Pinto da Cunha, cuja visão de negócio já antevia o sucesso que a marca teria. “Num documento datado de 1914, fala-se também da existência da «Ourivesaria Cunha: Joias e Objetos D’Arte em Prata», que ocupava os números 46 a 52 da Rua do Loureiro”. Alexandre Machado afirmou à VIVA! que o ano de 1914 foi “crucial” para a saga empresarial iniciada pelo patriarca da família, com investimentos que se adivinham “bastante avultados”.

No ano em que ocorreu a primeira Guerra Mundial, o negócio expandiu para “o outro lado da agora Estação de São Bento”, local onde ainda se mantém e que inspira qualquer transeunte, desde logo pela emblemática fachada ao estilo “arte nova”, projetada pelo arquiteto Francisco de Oliveira Ferreira, com destaque para a escultura “Os Meus Amores”, do seu irmão José de Oliveira Ferreira.

“A fachada ainda hoje perdura sem alterações”, referiu, orgulhoso, o atual responsável pelo espaço, que continua o negócio da família. São inúmeros os clientes que, diariamente, entram neste emblemático espaço portuense e se deixam encantar pelos dois salões que ainda “ostentam a decoração original”, devidamente adaptada aos tempos atuais, numa simbiose perfeita entre antiguidade e modernidade.

A primeira reação dos visitantes, sobretudo os turistas, é “fotografar a fachada”. E, assim que atravessam a grandiosa porta de entrada, vivem, dentro da loja uma “verdadeira viagem no tempo”, interrompida apenas pela “observação das peças de joalharia contemporâneas exibidas nas vitrines com mais de 100 anos”, detalhou Alexandre Machado.

Ao longo destes 142 anos de história, foram, naturalmente, muitas as mudanças a que a Machado Joalheiro “assistiu e resistiu”. Aquando do seu nascimento e posterior passagem para a 31 de Janeiro, numa altura em que ainda não havia a Estação de São Bento, vivia-se uma “época de grande intensidade comercial”.

“As montras estavam cheias de peças de ourivesaria/joalharia de autor ou peças de joalharia inspiradas pelas regulares viagens a Paris. As pratas ocupavam também uma parte considerável do negócio, sobretudo com os clientes brasileiros, que «vinham de barco, traziam os seus enormes carros à americana e que passavam no Porto para fazerem enormes encomendas»”, recordou.

Atualmente, fruto da introdução de marcas de joalharia e relojoaria internacionais, a quinta geração envolvida no negócio sente que se verificou uma “natural diminuição da produção própria” e consequente “adaptação ao mercado de luxo com uma oferta mais exclusiva dos produtos e das marcas”.

Num futuro próximo, a Machado Joalheiro espera reunir, numa espécie de “museu”, todo o espólio e património acumulado desde o registo da sua fundação e apresentá-lo, minuciosamente, aos seus clientes e amigos.

Machado Joalheiro
Rua 31 de Janeiro 200, Porto
Telefone 223 392 070

PUB
www.pingodoce.pt/campanhas/sabor-do-mes/?utm_source=vivaporto&utm_medium=banner&utm_term=banner&utm_content=052022-peitodefrangorecheado&utm_campaign=sabordomes

Viva! no Instagram. Siga-nos.