PUB
Philips S9000

Investigadores da U.Porto desenvolvem ventilador para apoiar hospitais portugueses

Investigadores da U.Porto desenvolvem ventilador para apoiar hospitais portugueses

Uma equipa de investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) desenvolveu um ventilador de baixo custo e fácil montagem, para apoiar os hospitais portugueses no combate à covid-19.

Numa nota publicada na sua página oficial, a U.Porto explica que o ventilador, intitulado “Pneuma”, foi criado com o propósito de “possibilitar a libertação dos ventiladores convencionais para casos mais graves” da doença, oferecendo “apoio em hospitais de segunda e terceira linha a doentes que aguardam transferência para hospitais centrais”.

“Na prática, funcionará como uma alternativa em situações de emergência, por exemplo em ambulâncias ou hospitais de retaguarda”, lê-se no comunicado, que adianta ainda que o ventilador pode também ser “utilizado para ventilação invasiva transitória, em doentes com insuficiência respiratória que exija controlo de volume e frequência respiratória” e que “em caso extremo de falta absoluta de ventiladores é também uma alternativa concreta”,

“Fácil, rápido e económico” assim caracteriza a U.Porto o dispositivo, que diz ter sido inspirado num trabalho original da Universidade de Rice (EUA).

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

O “Pneuma” consiste “num sistema de compressão e descompressão automática de balão autoinsuflável”, assemelhando-se “a um ventilador de emergência e transporte”, que “pode ser utilizado sem acesso à rede de energia elétrica”.

Citado em comunicado, Nuno Cruz, coordenador do projeto e investigador do INESC TEC e professor na FEUP, salienta que o aparelho “permite o controlo do volume, frequência respiratória e relação inspiração / expiração, incluindo alarmes de deteção de paragem e filtro HEPA para mitigar risco de infeções, entre outras funcionalidades”. “É baseado num dispositivo médico homologado e que faz parte da rotina médica (balão autoinsuflável) e é rapidamente replicável, ou seja, é mais fácil, rápido e económico produzir soluções iguais a esta do que ventiladores novos”, completa o responsável, acrescentando que “o protótipo já foi testado” e que está agora a ser organizada “a industrialização, produção e montagem, em resposta aos desafios colocados pela ARS Norte”.

O responsável prevê “colocar o projeto e um plano para entrega dos dispositivos nas mãos das autoridades de saúde dentro de duas semanas”.

Além do INESC TEC e da FEUP, o projeto conta com o apoio da Faculdade de Medicina (FMUP), do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), do Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI), da ARS Norte, do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), do Centro Hospitalar Universitário do Porto – Hospital de Santo António e do Instituto Electrotécnico Português (IEP).

PUBLICIDADE

PUB
Prémio Literatura Infantil Pingo Doce