CMPorto

INE: Teletrabalho abrangeu um milhão de pessoas no 2.º trimestre

INE: Teletrabalho abrangeu um milhão de pessoas no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre de 2020, sobretudo devido à Covid-19, e mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os resultados do módulo do Inquérito ao Emprego sobre “Trabalho a partir de casa” foram divulgados esta quarta-feira pelo INE e indicam que, entre abril e junho, “a população empregada que indicou ter exercido a sua profissão sempre ou quase sempre em casa na semana de referência ou nas três semanas anteriores foi estimada em 1.094,4 mil pessoas, o que representou 23,1% do total da população empregada”.

Grande parte dos que trabalharam sempre ou quase sempre em casa no período em referência situa-se na Área Metropolitana de Lisboa (36%). A percentagem foi mais elevada entre mulheres (25,2%) do que entre homens (21,1%) e entre aqueles com um nível de ensino completo correspondente ao ensino superior (53,8%).

Por situação na profissão, a proporção foi ligeiramente mais elevada entre os trabalhadores por conta de outrem (23,4%) do que entre os trabalhadores por conta própria (22,0%).

“Mais de um quarto dos trabalhadores no setor dos serviços que indicaram ter trabalhado sempre ou quase sempre em casa exercem a sua atividade económica na educação (27,5%), apesar desta atividade ser apenas a terceira com mais população empregada no setor terciário (12,5%)”, indica ainda o INE, acrescentando que “a profissão dos especialistas das atividades intelectuais e científicas, que reúne 21,6% dos empregados do 2.º trimestre, foi claramente aquela em que mais trabalhadores exerceram a sua profissão em sempre ou quase sempre em casa (56,7%)”.

Das 1.094,4 mil pessoas que estiveram em teletrabalho, 998,5 mil pessoas (91,2%) indicaram que a razão principal para terem trabalhado em casa se deveu à pandemia de Covid-19.

Em relação às horas trabalhadas, diz o INE que “não há grande diferença entre trabalhar em casa ou fora de casa”: quem trabalhou fora de casa trabalhou em média 36 horas e quem trabalhou a partir de casa trabalhou 35 horas.

O INE assinala ainda que 643,8 mil pessoas empregadas não trabalharam nem no emprego principal nem em casa ou em outro local durante o período de referência, das quais 76,3% (491,5 mil) devido à pandemia.

Segundo indica o INE, a população-alvo deste módulo do Inquérito ao Emprego é composta pela população empregada, estimada em 4,731 milhões de pessoas.

PUB
 www.pingodoce.pt/responsabilidade/bairro-feliz/?utm_source=cm&utm_medium=banner&utm_term=leaderboardmobile&utm_content=votacao&utm_campaign=bairrofeliz