PUB
PD-Bairro Feliz

Hospital de Gaia vai receber casos agudos do Centro de Reabilitação do Norte

Hospital de Gaia vai receber casos agudos do Centro de Reabilitação do Norte

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR
Os utentes do Centro de Reabilitação do Norte (CRN) vão passar a usufruir, em casos agudos, de uma “espécie de via verde” no atendimento no Hospital de Gaia.

O CRN, inaugurado em Valadares, concelho de Gaia, em fevereiro, é gerido pela Santa Casa de Misericórdia do Porto (SCMP) que celebrou ontem um protocolo “de colaboração para atuação no âmbito da Medicina Física e Reabilitação” com o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E).
O provedor da SCMP, António Tavares, explicou que o objetivo deste protocolo é “criar condições para que os doentes que estão no CRN que tenham, por qualquer motivo, um incidente mais agudo possam ir para o CHVNG/E em situação de urgência”. É “uma espécie de via verde” que permitirá “uma articulação direta entre os profissionais de saúde que estão no CRN e a equipa do hospital de Gaia que esteja na urgência”. “Pretende-se reforçar o conforto dos utentes de forma a tornar o menos penosa possível a estadia das pessoas em situação hospitalar”, afirmou António Tavares.
O presidente do conselho de administração do CHVNG/E, Silvério Cordeiro, acrescentou, como objetivos desta parceria, “a possibilidade de um doente que foi alvo de uma cirurgia e precisa de uma reabilitação prolongada, encontrar no CRN um meio primordial para esse processo”. “No hospital de Gaia, na reabilitação, não temos internamento. Não há qualquer quebra da carteira de serviços, o que há é sim uma valorização para bem da população que servimos”, descreveu.
Em setembro, a SCMP pretende alargar a abrangência do CRN, com a inclusão do serviço de incapacidades e de baixas/doenças profissionais da Segurança Social.
“É natural que passem a existir aqui muitas mais pessoas com os mais variados tipos de necessidades. Algumas das respostas o CHVNG/E e os centros de saúde poderão dá-las, mas é natural que outras sejam dadas por outras instituições”, disse António Tavares.

PUBLICIDADE

PUB
Prémio Literatura Infantil Pingo Doce