CIN Nováqua

Os gatos também podem ser os melhores amigos do Homem

Os gatos também podem ser os melhores amigos do Homem

Dizem que os cães são os melhores amigos do Homem, mas os gatos também podem sê-lo. Apesar de, no campo afetivo, estes animais de estimação não reunirem consenso, com uma parte da população a adorá-los e outra a odiá-los, ora por motivos de alergia ora por clara falta de apatia para com os mesmos, no que respeita aos benefícios de ter um felino em casa os especialistas são unânimes.

A grande maioria admite que os gatos, além de serem uma companhia, melhoram, efetivamente, o estado emocional dos cidadãos e ajudam a fortalecer o seu sistema imunitário.

Um estudo realizado pela Universidade de Minnesota, em Minneapolis, comprovou que “ter um gato em casa é relaxante e alivia o stress”, pelo que as pessoas que possuem um apresentam 30% menos probabilidade de sofrer um ataque cardíaco. Além disso, potencia também a redução do risco de morte por doenças cardíacas, inclusive no que respeita à possibilidade de acidente vascular cerebral, e ajuda no controlo da tensão arterial.

Os dados em causa foram avançados, recentemente, pela Clínica Veterinária de São João, que reuniu um conjunto de estudos, que revelam os benefícios de ter um felino. Mas, se, por acaso, pensa que as vantagens ficam por aqui desengane-se, porque há também investigadores que asseguram que o simples facto de acarinhar um gato pode “reduzir os indicadores de stress ao nível cardiovascular, comportamental e psicológico”.

Além disso, ao ouvir o ronronar dos gatos, comportamento representativo da sua felicidade, a população pode estar a receber uma cura terapêutica.

Quem o afirma é uma investigadora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade da Califórnia, que assegura que o som do ronronar dos felinos “tem sido associado a uma cura terapêutica em ossos e músculos de humanos”. “A frequência de vibrações dos ruídos emitidos por estes animais ao ronronar é profundamente regeneradora ao nível celular”, sublinhou.

Resumindo, além de estimularem o sistema imunitário dos seus donos, proporcionando-lhes melhor saúde, os gatos ajudam a reduzir a sensação de solidão e podem ainda ajudar a melhorar as aptidões sociais das crianças diagnosticadas com autismo. A conclusão é de um estudo realizado pela Universidade de Missouri, que verificou que as crianças que conviviam com gatos “melhoraram significativamente as suas aptidões sociais” quer com outras pessoas quer com outros animais.

PUB
api.whatsapp.com/send?phone=+351939990111&text=Ol%C3%A1

Viva! no Instagram. Siga-nos.