PUB
PD - Revista Sabe Bem

Festival Elétrico na Pasteleira

Festival Elétrico na Pasteleira

O Parque da Pasteleira é o palco escolhido para o primeiro Elétrico Porto Music Experience, um festival de música, dança, arte e tecnologia, que se realiza de 20 a 22 de julho.

Partindo das vibrações de Berlim, Barcelona ou Detroit, cabe ao Porto ser o anfitrião de um evento que privilegia o contacto com a natureza, o sol e o ar livre, com propostas musicais que vão do jazz ao techno, passando pelo soul, funk, disco e house. “Desta forma, o Elétrico, que também associa o seu nome ao mítico meio de transporte portuense, assume-se como um espaço lúdico, oferecendo no Parque da Pasteleira um sistema de som, e respetiva pista de dança, food trucks, área de conforto e uma zona de vinhos”, revela nota enviada às redações.

A abertura do Elétrico vai contar com um concerto de Dharum & Helder Pizzicato, a mesma dupla que este ano será responsável pelo encerramento do célebre ‘Boom Festival’, e a performance Raio de Sol.

O line-up do festival mistura de forma ecléctica nomes que marcam a história da música electrónica, como Larry Heard (ou Mr. Fingers), Delano Smith, Nightmares on Wax, a escola de Chicago de Miss Honey Dijon, o carisma eloquente e abordagem descomplexada de Peggy Gou, ZIP (Thomas Franzmann), fundador da mítica Perlon e um dos nomes mais respeitados do house minimal e que pela primeira vez se apresenta no Porto, ou mesmo Fumiya Tanaka o “Minamoto no Yoritomo” da eletro?nica de danc?a japonesa. Cristi Cons e Vlad Caia, com o projeto SIT, Joseph Seaton’s e o seu alter-ego Call Super, Rhadoo, Sonja Moonear, DeWalta, e Nicolas Lutz são outros dos nomes que prometem trazer o melhor som até ao Porto.

Mas este é, também, um festival português que se quer de mostra e promoção dos talentos nacionais. O Elétrico conta assim com o sempre fresco “Guru” Rui Vargas ou os jardins sonoros de João Maria, assim como os talentos locais de Gusta-VO, João Semedo, João Tenreiro, André Cascais, Vasco Valente, a ensolarada Mafalda e a presença carismática de Diana Oliveira.

O Elétrico é também uma experiência que vai além da música, e por isso aposta numa componente de sustentabilidade cultural. Em parceria com a empresa ‘JCDecaux’ e o espaço portuense de intervenção cultural ‘Maus Hábitos’, estará patente o projeto Mupi Gallery, que usa as estruturas dos mupis como instalação no parque para mostrar um conjunto de fotografias artísticas.

Quem também irá marcar presença no festival é o projeto Sábado-feira, “promovendo, ao longo dos três dias, uma feira de arte onde se podem encontrar trabalhos de fotografia, pintura, desenho, ilustração, pósteres, fanzines, publicações ou cerâmica, entre outros trabalhos de autor”.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

A celebração do poder da tecnologia é outro dos propósitos deste festival, que vai juntar startups no Elétrico Press Start, em parceira com o The Next Big Idea. Trata-se de um espaço onde não vão haver os tradicionais  “pitchs” ou concursos, mas sim um podcast gravado live, o primeiro sobre inovação e empreendedorismo, em que um conjunto de fundadores de startups, investidores e parceiros de ideias vão contar a sua história e por que Warhol tinha razão quando dizia que o negócio é a arte suprema.

Outras atividades: Foco, energia e equilíbrio

Foco, energia e equilíbrio. É esta corrente que vai ligar todos os presentes no Parque da Pasteleira, incluindo sessões de meditação diárias. Para isso, os visitantes são convidados a participar em disciplinas como o Lu Jong, uma prática do budismo tibetano que consiste numa série de simples movimentos corporais, combinados com a respiração, que exercem efeitos profundos sobre a saúde do corpo, mente e espírito.

O Sacred Dance Ritual é outras das propostas revigorantes do Elétrico, uma experiência única e rica em música eletrónica e étnico tribal, através da dança e estímulos sensoriais dos cinco sentidos e elementos. Cada participante será convidado a fazer uma viagem de olhos vendados e descalço, dançando ao som e ritmo de um DJ Set.

As entradas custam 25 euros (bilhete diário) ou 60 euros (passe para três dias).

Confira os horários

Sexta e Sábado: 14h00 – 01h00

Domingo: 12h00 – 22h00

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/novo-ano-nova-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=cpc&utm_campaign=sabebem&utm_term=leaderboardmobile