PUB
Junta da Galiza

Festivais Gil Vicente 2017

Festivais Gil Vicente 2017
Talento e diversidade nos Festivais Gil Vicente

Teatro Praga, João Sousa Cardoso, Jacinto Lucas Pires e Teatro Oficina são apenas alguns dos nomes que dão corpo e talento à edição de 2017 dos Festivais Gil Vicente, que decorre de 1 a 11 de junho, em Guimarães, com a estreia absoluta de “Geocide”.

No ano em que o programa lança um “olhar profundo” sobre a criação feita em território nacional, e no qual se encontram três estreias, os Festivais Gil Vicente apresentam um cartaz que procura privilegiar a proximidade entre o público e os artistas, isto para além de propor palcos pouco convencionais.
Há, ainda, um programa de atividades paralelas que gira em torno de um projeto lançado pelo Teatro Oficina, na tentativa de mapear profissionais das artes performativas nascidos ou criados em Guimarães. Será o primeiro encontro do “Gangue de Guimarães”.

gangue_guimaraes_direitos_reservadosAs novidades
Este ano, os Festivais Gil Vicente – principal festival de teatro da cidade de Guimarães -propõem uma nova lógica de reação com o que está à sua volta, ao pretender detetar e valorizar o aparecimento do talento territorial existente. As linhas identitárias mantêm-se enquanto base matricial: novas dramaturgias e releituras de textos essenciais.
Mas, a partir desta edição, ambiciona-se também tornar os Festivais Gil Vicente num corpo de trabalho “regular e gerador de novas ideias”. A partir de uma ideia recém-nascida no seio do teatro oficina, o “Gangue de Guimarães”, é lançada uma residência artística assente em dois vetores: formação dramatúrgica e identificação do potencial criativo dos elementos do grupo entretanto construído.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

O arranque
Os Festivais Gil Vicente têm início marcado para o dia 1 de junho, às 21h30, com a estreia absoluta de “Geocide”. A peça de Cátia Pinheiro e José Nunes, da Estrutura, sobe ao palco do Pequeno Auditório do Centro Cultural Vila Flor (CCVF) para abordar os temas da mobilidade demográfica, das narrativas distópicas, das visões de futuro apocalípticas, da biopolítica e, consequentemente da geopolítica.
No dia seguinte, 2 de junho, às 21h30, é a vez do Grande Auditório do CCVF abraçar a mais recente criação do Teatro Praga, “Despertar da primavera, uma tragédia de juventude”, uma peça escrita em 1981 por Frank Wedekind sobre um grupo de adolescentes em conflito com uma sociedade conservadora e moralista.

os_pescadores_maria_begasseHomenagem a Raul Brandão
No ano em que se comemoram os 150 anos do nascimento de Raul Brandão, também a sua obra estará presente nos Festivais Gil Vicente com “Os Pescadores”, de João Sousa Cardoso, que sobe ao palco do Pequeno Auditório do CCVF no dia 3 de junho.
Os Festivais Gil Vicente prosseguem para a segunda semana com mais uma ronda de três espetáculos, momento em que abandonam o Centro Cultural Vila Flor para “invadir” outros espaços da cidade de Guimarães.

No encerramento: as apostas
No dia 8, às 21h30, o ponto de encontro está marcado para a Black Box da Plataforma das Artes e da Criatividade, que recebe “Henrique IV parte 3”.
A encerrar a edição de 2017 dos Festivais Gil Vicente, também a companhia vimaranense Teatro Oficina estreia a sua mais recente criação. Nos dias 10 e 11 de junho, sempre às 22h, o pátio da Casa da Memória de Guimarães é palco para a apresentação de “Álbum de família”

album_familia_paulo_pachecoAs atividades paralelas
Este ano, também as atividades paralelas dos Festivais Gil Vicente têm um forte cunho do Teatro Oficina. A companhia convocou o talento territorial existente para formar o “Gangue de Guimarães” que terá o seu primeiro encontro numa residência artística que englobará também uma oficina de dramaturgia orientada por José Maria Vieira Mendes, debates de ideias e ensaios abertos.
O “Gangue de Guimarães” surge como uma tentativa de cartografar os artistas de artes performativas de Guimarães espalhados pela cidade, pelo país e pelo mundo. Responderam à primeira chamada, segundo dados da organização, 49 profissionais das artes performativas, mais ou menos experientes, mais ou menos emergentes, que nasceram ou foram criados na cidade. A partir deste mapa de artistas, o Teatro Oficina e os Festivais Gil Vicente montam um primeiro encontro /residência em que se revela o que é este Gangue e os projetos em que estará envolvido.
Os bilhetes para os espetáculos já se encontram à venda, podendo ser adquiridos nas bilheteiras do Centro Cultura Vila Flor e da Plataforma das Artes e da Criatividade, e nos locais habituais.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

PUB
Pingo Doce- Revista Sabe Bem