PUB
Recheio 2024 Profissional

Falha da defesa compromete apuramento do FC Porto na Liga dos Campeões

Falha da defesa compromete apuramento do FC Porto na Liga dos Campeões

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR
“Posso dizer que o grupo está muito triste, mas não vai desistir. Ainda há dois jogos pela frente e acreditamos que, se tivermos este desempenho, à nossa altura, como hoje, ainda é possível chegar à outra fase”, afirmou o treinador do conjunto azul e branco, Paulo Fonseca.

O FC Porto empatou esta quarta-feira no terreno do Zenit, por 1-1, ficando dependente de outros resultados para aspirar às passagem aos “oitavos” da Liga dos Campeões de futebol. A equipa portuguesa foi a primeira a marcar, através do argentino Lucho González, aos 23 minutos, mas o brasileiro Hulk, ex-dragão, conseguiu, logo a seguir, restabelecer a igualdade, aproveitando uma falha coletiva da defesa e fixando um desfecho favorável à equipa russa, que se mantém no segundo lugar do Grupo G, agora com cinco pontos, mais um do que os portistas.
No final da partida, o treinador Paulo Fonseca reconheceu que a sua equipa foi “superior” durante toda a partida. “Tivemos uma primeira parte de grande nível. Chegámos a ter 69% de posse de bola e acabámos com 22 remates, mas não conseguimos vencer”, lamentou. O técnico apostou, de início, na titularidade de Defour no meio terreno e na de Josué para tarefas mais ofensivas, ao contrário do que fez frente ao Belenenses, quando contou com Ricardo para essas funções. A postura ofensiva que os azuis e brancos demonstraram foi recompensada aos 23 minutos, quando Lucho González desviou com sucesso, de cabeça, um cruzamento de Danilo, desde a direita.
Ainda assim, a vantagem dos “dragões” não duraria mais de cinco minutos, com Hulk a aproveitar a descoordenação de Mangala, Alex Sandro e Helton, para chegar ao empate. “Quando erramos, erramos todos. Não há que arranjar desculpas, sou o máximo responsável. Mesmo o golo sofrido não retira o mérito à primeira parte que fizemos, de grande nível”, referiu Paulo Fonseca. Já perto do final, o técnico português decidiu mexer na estrutura, trocando o médio Lucho González pelo avançado Ghilas, mas o argelino quase não tocou na bola, a exemplo do que aconteceu no sábado, frente ao Belenenses. Depois de um lance em que Hulk ficou a reclamar penalti de Mangala, Varela ainda rematou para grande defesa de Lodygin. “Posso dizer que o grupo está muito triste, mas não vai desistir. Ainda há dois jogos pela frente e acreditamos que, se tivermos este desempenho, à nossa altura, como hoje, ainda é possível chegar à outra fase”, disse, no final da partida, Paulo Fonseca.

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/novo-ano-nova-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=cpc&utm_campaign=sabebem&utm_term=leaderboardmobile