PUB
Recheio 2024 Profissional

Equipa internacional liderada por investigador do Porto descobre “planeta improvável”

Equipa internacional liderada por investigador do Porto descobre

Uma equipa internacional, liderada por um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), no Porto, descobriu um planeta em “estado revolucionário”, numa estrela gigante vermelha. Segundo noticia a TSF, a descoberta, publicada no “”The Astrophysical Journal”, surgiu de um estudo sobre duas estrelas gigantes vermelhas – a HD 212771 e a HD 203949 – à volta das quais já se sabia que existiam “exoplanetas”.

Para isso, foi necessário “recorrerem a dados a dados de asterossismologia (ciência que estuda o interior das estrelas através da atividade sísmica medida à superfície – oscilações) recolhidos através do satélite TESS (NASA)”, o que permitiu “determinar as propriedades físicas das duas estrelas, como a massa, tamanho e idade”. Contudo, devido ao “estado revolucionário” da estrela HD 203949, como acrescenta a TSF, os investigadores acabaram por “focar” a sua atenção nesta.

De acordo com o IA, citado na notícia publicada, o objetivo do estudo “era perceber como é que o seu planeta conseguiu evitar ser engolido pela estrela”. Vardan Adibekyan, um dos coautores do artigo, explicou que a “solução para este dilema científico” remete para o facto de as estrelas e os seus planetas “evoluírem em conjunto”.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

Por sua vez, o investigador que liderou a investigação, Tiago Campante, da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), revelou só ter sido “possível” detetar as oscilações, devido à “precisão suficiente para medir as pulsações à superfície das estrelas” que o satélite TESS apresenta.

Foto: Imagem artística do satélite TESS no espaço. Crédito: NASA/GSFC

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/novo-ano-nova-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=cpc&utm_campaign=sabebem&utm_term=leaderboardmobile