PUB
Philips S9000

Bob Geldof e Steven Tyler num festival que homenageia Mandela em Matosinhos

Bob Geldof e Steven Tyler num festival que homenageia Mandela em Matosinhos

Esta segunda-feira foi anunciado um festival que celebra o legado de Nelson Mandela. Bob Geldof e Steven Tyler (Aerosmith) estão entre as confirmações para o evento que terá lugar na Praia do Aterro, em Matosinhos, nos dias 18, 19, e 20 de julho.

Em declarações à VIVA!, Telmo Fernandes, da Score Music, revelou ter avaliado “vários concelhos e espaços, apresentando Matosinhos todas as condições”.

“A presidente da Câmara também apresenta uma política de solidariedade social e desde logo foi entusiasta da ideia”, esclareceu.

No que a confirmações diz respeito, esta iniciativa abraça a atriz nomeada quatro vezes para os Emmy e vencedora de um Golden Globe Award, Alfre Woodard, e que dá voz ao Nelson Mandela Music Tribute (NMMT). Ela convida-nos a “Be the Legacy”, e especialmente apela às gerações mais jovens para ajudar a mudar o mundo para melhor.

Também a autora internacional de best-sellers Zelda La Grange, cuja biografia “Good Morning, Mr. Mandela” descreve a sua vida profissional com o presidente Nelson Mandela, marcará presença. Em 1999, o então presidente Mandela convidou-a para permanecer como sua assistente pessoal após terminar as suas funções públicas. Zelda serviu Mandela em várias funções durante 19 anos até à sua morte, a 5 de dezembro de 2013.

Mas há mais: uma inédita apresentação do cantor e vencedor de vários Grammy Awards e lenda do rock and roll Steven Tyler & The Loving Mary Band. Tyler terá como convidado especial o guitarrista português Nuno Bettencourt. Steven Tyler é membro do Hall of Fame do Rock and Roll e do Hall of Fame dos The Songwriters, já vendeu mais de 150 milhões de discos, tanto como artista a solo quanto como membro da lendária banda de rock.

Tendo como mote a mensagem de Mandela, que atravessa todos os estilos musicais e idades, o NMMT reunirá artistas consagrados e alguns dos mais recentes e conceituados. Para celebrar os diferentes estilos musicais, está confirmada a presença da lenda do rock e ativista dos direitos humanos, Sir Bob Geldof, o famoso líder dos Boomtown Rats.

O prestigiado escritor, rapper e produtor Wyclef Jean vai apresentar-se em palco, assim como a lenda senegalesa Youssou N’ Dour, amigo de longa data de Madiba. Para celebrar o tributo ao líder sul africano, os embaixadores de Nelson Mandela há muitos anos e, igualmente, vencedores de vários Grammys – o Soweto Gospel Choir – também participarão no NMMT. Às celebrações juntam-se figuras portuguesas incontornáveis, incluindo o prestigiado músico de rock e blues Rui Veloso e Jimmy P que leva ao palco a fusão do Hip-Hop, Reggae, R&B e Rock. Para celebrar a cultura urbana portuguesa, há o projeto Swag On com as suas performances de grande energia em palco.

Para as comemorações do centenário, o prestigiado escultor português José Rodrigues criou e doou generosamente uma escultura para homenagear Madiba, um dos seus heróis pessoais. É um dos escultores mais emblemáticos da segunda metade do século XX em Portugal, que  contribuiu com este monumento permanente a Nelson Mandela nesta importante ocasião.

“A música é um veículo privilegiadíssimo para comunicar”, disse Telmo Fernandes. “A voz é ouvida por todo o mundo”, acrescentou.

Os objetivos da iniciativa passam por “homenagear Nelson Mandela, reavivar memória”, por um lado.

Por outro, “o lucro do evento reverte 75% para a Fundação Nelson Mandela e os restantes 25% para instituições de solidariedade social como a APELA”, referiu Telmo Fernandes.

Para a embaixadora da África do Sul, é “com grande honra” que olha para este evento dedicado a “um defensor da liberdade a nível global”.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

É um “evento positivo” que reconhece os valores e a marca deixada por Mandela nas nossas vidas.

“Madiba adorava dançar”, confidenciou à VIVA! a embaixadora da África do Sul.

“O seu nome será sempre erguido com força, pois ensinou importantes valores. Mandela era um líder com paixão”, reiterou.

Já Luisa Salgueiro refere que “Matosinhos é um concelho com boas infraestruturas, tem o cenário ideal, sendo também um evento que provoca mudança na vida das pessoas”.

“É também uma aposta na cultura, uma marca cada vez mais forte cujo maior exemplo é a Casa da Arquitetura”, numa iniciativa que “traz turismo para o concelho, promoção das praias”.

A produtora executiva, Christine Hansen, afirmou: “É um privilégio servir novamente Madiba, para responder ao seu apelo de agir e fazer a diferença perpetuando o seu legado de paz e unidade quando há tanto desconforto no mundo. O nosso objetivo é fazer brilhar uma luz para que todos possamos ‘Be the Legacy’ que ele sonhou para a humanidade. Estou sinceramente grata à Score Music e aos nossos incríveis stakeholders pela visão inabalável de tornar este sonho numa realidade”.

O objetivo do Nelson Mandela Music Tribute é “contribuir para a construção de uma sociedade justa que lembre o seu passado, ouça todas as vozes, procure a justiça social para todos e apoie a educação e a saúde com um espírito de unidade, paz e esperança para toda a humanidade”, refere nota enviada às redações.

O NMMT contará ainda com novos artistas e celebridades, que serão anunciados em breve.

Uma quantidade limitada de bilhetes estará disponível para venda já nesta quarta-feira 11 de abril, às 10h, com um preço especial. Este preço manter-se-á até ao final do mês de abril.

Para bilhetes e mais informações, pode consultar a página www.nelsonmandelatribute.com.

Mandela, que esteve preso 28 anos (1962-1990), acusado de sabotagem e luta armada contra o governo racista da África do Sul, tornou-se, em 1994, no primeiro presidente negro do país, ao ser eleito nas primeiras eleições livres e multirraciais.

Em 1993 recebeu o Nobel da Paz juntamente com Frederik de Klerk, governou África do Sul até 1999 e tornou-se num dos principais estadistas do século, como referência na luta contra a segregação racial, e visto pelos seus compatriotas como o patriarca da “nação do arco-íris”.

Após o fim do mandato, Mandela voltou-se para a causa de diversas organizações sociais e de direitos humanos, como o apoio à campanha de recolha de fundos contra a SIDA, chamada 46664 – número que evoca a sua ficha prisional.

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/novo-ano-nova-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=cpc&utm_campaign=sabebem&utm_term=leaderboardmobile