BPI

Bem-vindos ao Porto, por Padre Américo Aguiar

Bem-vindos ao Porto, por Padre Américo Aguiar

Queremos com tudo isto reforçar o trabalho em REDE. Não esqueçamos que esta é a palavra-chave para muito do sucesso que desejamos como cidade e país. E, neste âmbito do Turismo, temos tudo a ganhar com o potencializar de sinergias. De nada valerá correr sozinho. Sabemos que não estamos a descobrir a pólvora e que são muitos os agentes, públicos e privados, que têm feito um trabalho meritório na oferta turística nacional, do Porto e Norte. Este aumento do número de turistas de visita a Portugal é certamente resultado desse trabalho.
Em 1763, a cidade viu concluída a sua Torre. Há dias ouvi, e gostei, que a Torre é uma marca de saudade da sua terra de origem que Nasoni nos quis legar. Oriundo da Toscana, Nicolau Nasoni (1691-1773) deixou-nos um legado espalhado por toda a cidade e norte do país, dos Clérigos, no Porto, ao Palácio de Mateus, em Vila Real. Queremos reabilitar o seu nome e o seu legado e queremos acompanhar a Direção Regional da Cultura do Norte na exploração de um novo filão: o turismo de arquitetura. Poucas cidades do mundo poderão oferecer tantos nomes e obras ao longo dos séculos: de Nasoni a Siza Vieira e Souto Moura, entre muitos outros. Barcelona, com Gaudí, mostra-nos como se faz. No desenho das comemorações do aniversário da Torre decidimos provocar as gentes e as instituições e daí ir realizando o possível. Estamos felizes com os resultados obtidos até ao momento. Obrigado gentes e instituições do Porto!
O bombom CLÉRIGUS, da nossa Arcádia e do Chefe Hélio Loureiro, com a colaboração dos alunos da Faculdade de Belas Artes do Porto; o Livro UMA AVENTURA NO PORTO, da autoria de Isabel Alçada e de Ana Maria Magalhães; os sabonetes da Ach Brito; os livros sobre a Igreja e Torre dos Clérigos, que serão quatro, da autoria de Francisco Queirós, Germano Silva, Hélder Pacheco e Manuel Montenegro, o mecenato para essas publicações da Associação Comercial do Porto, Banco Carregosa, Douro Azul e Santa Casa da Misericórdia do Porto. Alguns destes livros são, pelo menos em português, inglês, castelhano e francês; a apresentação e lançamento da futura moeda de 2€, comemorativa dos 250 da Torre, que muito nos honra e que agradecemos à Imprensa Nacional Casa da Moeda, os variadíssimos concertos já realizados e a realizar, da ESMAE à CICO, da Orquestra Gulbenkian à Casa da Música, dos coros ao Órgão, do Carrilhão à Harpa… enfim… tudo fruto da generosidade das gentes e instituições.
Por último, o ponto alto que vivemos a 24 de março: volvidos mais de 80 anos, devolvemos à cidade, e a todos os que a visitam, a Capela de Nossa Senhora da Lapa. Já nem memória visual existia, sabe onde fica? Na fachada da Igreja dos Clérigos. Até parece a porta principal mas não é. As entradas na Igreja dos Clérigos são todas laterais. O Senhor D. Manuel Clemente, na bênção e abertura da capela, dizia que começamos a abrir portas, há muito fechadas, e a mostrar tesouros há muito escondidos. Existem ainda muitos a aguardar.
Visite-a e visite-nos, seja bem-vindo ao Porto. Mesmo que seja da casa, bem-vindo!

Padre Américo Aguiar
Presidente da Irmandade dos Clérigos

{jcomments on}
PUB
Pingo Doce Sabe Bem

Viva! no Instagram. Siga-nos.