PUB
Recheio 2024 Institucional

Assembleia Municipal do Porto aprova alienação de terrenos para fogos acessíveis no Monte da Bela

Assembleia Municipal do Porto aprova alienação de terrenos para fogos acessíveis no Monte da Bela

A Assembleia Municipal do Porto aprovou segunda-feira a alienação de imóveis no terreno do Monte da Bela, em Campanhã. Para o local está prevista a construção de 232 fogos, a maioria a preços acessíveis.

A proposta, aprovada com os votos contra do BE, PS, PAN e CDU, vai permitir a alienação de terrenos no âmbito do concurso público internacional para a urbanização e construção de 232 fogos de arrendamento acessível no Monte da Bela, onde se encontrava o antigo Bairro São Vicente de Paulo, demolido há cerca de 15 anos.

De acordo com a Câmara do Porto, o modelo da operação de loteamento para o local será em tudo idêntico ao do Bairro Rainha D. Leonor: “a proposta mais vantajosa para o município ganha capacidade construtiva no terreno, mediante a condição de entregar, pelo menos, metade dos 232 fogos previstos à autarquia, além de pagar 16 milhões de euros, valor mínimo estipulado”.

As obras de urbanização no Monte da Bela incluem o financiamento, conceção, elaboração do estudo prévio, anteprojeto e projeto de execução, sendo que os fogos vão ficar na propriedade do município para o arrendamento acessível.

Como contrapartida, o adjudicatário recebe o “direito de propriedade plena sobre os fogos ou lotes de terreno para promoção privada, no Monte da Bela, e no Plano de Pormenor das Antas (PPA)”.

O valor do contrato, superior a 16 milhões de euros, foi calculado com base no “custo das obras de urbanização e o custo dos fogos, a suportar pelo adjudicatário”. “O vencedor do concurso terá como contrapartida a cedência de 50% do terreno do Monte da Bela (avaliado em cerca de 4,4 milhões de euros), e ainda alguns lotes no PPA (cujo valor ronda os 11,6 milhões de euros)”, sublinha a Câmara Municipal. 

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

Na sessão, o deputado Pedro Lourenço, do BE, defendeu que “a renda acessível continua, do ponto de vista técnico, a ser elevada para a maioria da população” e que esta “parceria público-privada” não é a melhor solução para responder às carências habitacionais na cidade.

Em resposta ao deputado, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, disse não existir nenhuma parceria público-privada, “porque a empresa que constrói fogos é paga por isso”. Relativamente ao modelo de arrendamento a seguir, o autarca não descarta que seja “para renda acessível ou apoiada”, uma vez que caberá ao próximo executivo municipal, ou até ao seguinte, decidir, porque “só daqui a três ou quatro anos” é que estima estar pronta a construção das novas casas.

Embora esteja “inteiramente de acordo com habitação acessível no Monte da Bela”, o PS está contra o “modelo de negócio” encontrado. “A Câmara fica com 30% das habitações a construir e os privados podem construir a preços não acessíveis”, afirmou o deputado socialista Alfredo Fontinha, citado pelo Porto..

O deputado Rui Sá, da CDU, afirmou que este não é “um bom negócio para o município”, defendendo que as “expensas” assumidas pela autarquia em matéria de habitação deveriam ser “um objetivo” da administração central.

O social-democrata Francisco Carrapatoso afirmou que a “falta de habitação a custos acessíveis na cidade” é “um problema de fundo” na cidade e que a proposta é “uma das boas soluções” para dar resposta.

Já o deputado André Noronha, do grupo municipal “Rui Moreira: Porto, O Nosso Partido”, defendeu não existir “nenhum favorecimento, acordo ou negócio” no âmbito do concurso.

“Os terrenos entregues para construção têm a sua capacidade construtiva definida não há nenhum favorecimento ou norma alterada, as tipologias e áreas estão definidas. Não há nenhuma negociata. Isto tem de ficar claro, quem disser o contrário não está de boa-fé neste debate”, disse o deputado.

PUBLICIDADE
PUB
PD- Revista Sabe bem