PUB
Recheio 2024 Institucional

Academia Americana de Artes e Letras premeia Eduardo Souto de Moura

Academia Americana de Artes e Letras premeia Eduardo Souto de Moura

O arquiteto português – e portuense – Eduardo Souto de Moura é o vencedor do Prémio Arnold W. Brunner de 2019, da Academia Americana de Artes e Letras. O galardão, instituído em 1955 e no valor de 20 mil dólares (cerca de 17,7 mil euros), destina-se a distinguir arquitetos, de qualquer nacionalidade, que “tenham dado uma contribuição significativa à arquitetura como arte”.

Escolhido entre 33 nomeados, Souto de Moura foi reconhecido pela “qualidade intemporal e profundamente humanista” da sua obra, detentora de um “[sentimento] de inevitabilidade”, disse a arquiteta Annabelle Selldorf, presidente do júri, no anúncio dos vencedores, citada pelo Diário de Notícias.

O júri teve em conta um conjunto de “projetos notáveis” do arquiteto português, entre os quais a Torre Burgo, no Porto, o Estádio Municipal de Braga e a Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais.

De entre os projetos de Souto de Moura podem enunciar-se o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, em Bragança, a remodelação e valorização do Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu, a Casa do Cinema Manoel de Oliveira e o Centro Português de Fotografia, no Porto, o projeto de interiores dos Armazéns do Chiado, em Lisboa, o Serpentine Gallery Pavilion, nos Kensington Gardens, em Londres, feito em parceria com Álvaro Siza, com quem iniciou a carreira, em 1981.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

São já inúmeras as distinções atribuídas a Eduardo Souto de Moura: Leão de Ouro da Bienal de Veneza, atribuído no ano passado; o Pritzker, o “Nobel da arquitetura”, em 2011, pelo conjunto da obra; o Prémio Piranesi da Academia Adrianea de Arquitetura e Arqueologia Onlus, de Roma, em 2017; o Prémio da X Bienal Iberoamericana de Arquitetura e Urbanismo, em 2016, “pelo importante contributo do seu ensino em universidades de diversos países”; o Prémio Wolf de Artes da Fundação Wolf, em Israel, em 2013; o Prémio Pessoa, em 1998; e o Prémio Secção Portuguesa da Associação Internacional de Críticos de Arte, em 1996.

Segundo refere o Diário de Notícias, a Academia Americana de Artes e Letras distinguiu ainda, este ano, com um prémio individual de dez mil dólares (perto de 8,85 mil euros), o diretor do Instituto de Arquitetura do Sul da Califórnia (Sci-Arc), Hernan Dias Alonzo, pela “sua influência no futuro” da profissão, os responsáveis pelo Laboratório Global Africa, do departamento de Arquitetura da Universidade de Columbia (GSAPP/Columbia), em Nova Iorque, Mario Gooden e Mabel O. Wilson, “por defenderem a existência de um mundo mais justo”, os arquitetos Eric Höweler e Meejin Yoon, de Boston, “pelas suas formas e estruturas inovadoras”, e a diretora do programa Architectural League of New York, Anne Rieselbach, “pelo apoio ao desenvolvimento de novas ideias em design urbano e arquitetura”.

Os prémios serão entregues durante a cerimónia anual da Academia, a realizar em Nova Iorque, em maio.

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/novo-ano-nova-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=cpc&utm_campaign=sabebem&utm_term=leaderboardmobile