PUB
Recheio 2024 Institucional

Abstenção em Matosinhos inferior à taxa nacional

Abstenção em Matosinhos inferior à taxa nacional

O conjunto de medidas implementadas pela Câmara Municipal de Matosinhos nas eleições presidenciais levou a que mais eleitores se deslocassem às mesas de voto para exercerem o seu poder de escolha. 

Tratou-se de uma “operação logística sem precedentes”, como definiu a autarquia, levada a cabo a 17 de janeiro, dia destinado ao voto antecipado em mobilidade, e no passado domingo, dia 24, e que conseguiu que a taxa de abstenção (50%) fosse inferior à registada a nível nacional (60,5%). 

“Em contexto muito grave de saúde pública, esta resposta da população às eleições traduz o forte investimento na proteção das pessoas e a mobilização de muitas equipas que estão há semanas a preparar este momento e de tantas outras pessoas que se voluntariaram para que as eleições mais atípicas da nossa história acontecessem sem percalços”, afirmou a autarca de Matosinhos, Luísa Salgueiro. 

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

Entre as principais medidas adotadas, destaque para o reforço do número de mesas de voto – que passou das habituais 142 para 253 -, distribuídas por 26 edifícios, a colocação de 24 tendas no exterior dos espaços para “assegurar as condições de segurança e de distanciamento” e ainda a realização de testes rápidos à covid-19 a 300 funcionários de escolas e de 1500 membros das mesas eleitorais. 

No que respeita aos resultados eleitores, em Matosinhos, note-se que Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito com 57,21% dos votos, Ana Gomes com 18,02% e André Ventura com 8,31%.  Por sua vez, recorde-se que o estreante Tiago Mayan Gonçalves conquistou a quarta posição (5,21%). Marisa Matias (4,32%) ficou à frente de João Ferreira (3,86%) e Vitorino Silva registou o último lugar, com 3,07%. 

PUBLICIDADE

PUB
PD-Bairro Feliz