PUB
Recheio 2024 Institucional

A guerra e o “refúgio” no Campo Alegre

A guerra e o
O Teatro Municipal do Porto apresenta esta sexta-feira e sábado, no polo do Campo Alegre, o programa “Foco Deslocações”, dando palco e voz à “dura realidade” de dois artistas exilados e oriundos de países fustigados pela guerra, casos da Síria e do Ruanda. Dança, teatro, cinema, música e reflexão compõem este intenso programa, a partir do “olhar tocante e singular” da ruandesa Dorothée Munyaneza e do sírio Mithkal Alzghair.

Poderão estes acontecimentos reais e dramáticos ser transpostos artisticamente para o palco? Este é o “desafiante e complexo mote” para “Deslocações”, que traz ao Porto dois poderosos e poéticos artistas originários de países que atravessam ou atravessaram conflitos de guerra: Dorothée Munyaneza, do Ruanda, e Mithkal Alzghair, da Síria.
Dorothée Munyaneza (1982, Ruanda) testemunha o passado no seu país através do teatro, da dança e da música, evocando a sua infância para contar a violência e o êxodo na sequência do genocídio do Ruanda de 1994, que levou ao extermínio de 800 mil pessoas em apenas 100 dias. Na altura dos acontecimentos, Dorothée tinha apenas 12 anos e, juntamente com a família, foi obrigada a abandonar o país, rumo a Inglaterra.
Todas estas vivências, interpretadas e contadas na primeira pessoa, estão na origem do espetáculo “Samedi Détente”, em estreia nacional esta sexta-feira, pelas 21h30, no Teatro Campo Alegre.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

“Displacement”
No dia seguinte, sábado, também às 21h30 horas, o coreógrafo e bailarino sírio Mithkal Alzghair sobe ao mesmo palco para apresentar “Displacement”, igualmente apresentado pela primeira vez em Portugal.
Trata-se, segundo o portal de notícias do Porto, de um espetáculo baseado na “reconstrução da identidade de alguém que abandona um país em ruínas”. A tradição folclórica síria mistura-se com imagens de um contexto bélico, a partir do ponto de vista de um artista exilado em França.

Outras apostas
Também o filme “Água Prateada”, um autorretrato da Síria a partir do olhar de Ossama Mohammed e Wiam Simav Bedirxan, será exibido sábado, pelas 18h30.
A anteceder o espetáculo, entre as 15 e as 17 horas, terá lugar um debate intitulado “Registo e Refúgio”, moderado pelo jornalista e diretor do Expresso, Pedro Santos Guerreiro, e com a participação dos artistas Dorothée Munyaneza e Mithkal Alzghair. A esta conversa vai juntar-se a professora do Conselho Português para os Refugiados Isabel Galvão e a poetisa de origem romena Golgona Anghel, a residir em Portugal há vários anos.
Às 23 horas, a encerrar a programação do programa “Deslocações”, o café-teatro do Campo Alegre é palco de um concerto a cargo de Dorothée Munyaneza, responsável pela banda sonora do filme “Hotel Ruanda”. A artista do Ruanda lançou em 2010 o seu primeiro álbum a solo, no qual faz convergir o afro-folk, a poesia e música experimental, aliadas ao canto militar americano.

PUBLICIDADE