PUB
Recheio 2024 Profissional

5 percursos pedestres no Norte que tem de experimentar

5 percursos pedestres no Norte que tem de experimentar

Para muitos, verão é sinónimo de praia ou piscina. Mas atenção: há outras formas de aproveitar o excelente clima que Portugal nos proporciona.

De norte a sul do país, são inúmeros os percursos pedestres para aqueles que privilegiam os espaços verdes em detrimento das águas atlânticas.

A Revista VIVA! selecionou cinco dos melhores percursos que pode fazer na zona norte.

Aqui vão algumas sugestões para a sua próxima caminhada:

Trilho dos Romanos (Valongo)

O percurso desenrola-se na serra de Santa Justa, passando pelos emblemáticos complexos mineiros de Valongo, deixados pelo império romano.

Desde trilhos e caminhos florestais, à própria descoberta da paisagem da flora e fauna nativas, o trajeto, de cerca de 6 km, é ideal para uma boa caminhada em família.

Durante o percurso, encontram-se várias áreas em reconversão para floresta nativa, processo esse que resulta do apoio de várias entidades parceiras e inúmeros cidadãos voluntários. Chegando ao ‘Vale da Tranquilidade’, antes da descida que nos leva à Azenha, obtém-se uma magnífica vista do vale do rio Ferreira e da aldeia de Couce, com a serra de Pias como pano de fundo.

Foto: Wikiloc

Linha de Midões e Moinhos de Jancido (Jancido/Gondomar)

Visitar a Linha de Midões e os Moinhos de Jancido é saber que se pode contar com um 3 em 1: natureza, ruralidade e história. O percurso em questão, que permite ao caminhante conhecer os oito moinhos da região, localiza-se no concelho de Gondomar, mais especificamente em Jancido.

O trajeto, que já se encontra sinalizado e que teve inauguração em maio de 2021, tem a particularidade de ter sido reabilitado por um grupo de voluntários locais, que, de um espaço em ruínas, fez um destino de eleição.

O percurso tem 5.4 km e, de acordo com a Federação Portuguesa de Campismo e Montanhismo, apresenta um grau de dificuldade reduzido, o que permite um pleno aproveitamento de toda a beleza natural associada ao sítio.

Neste trajeto, repleto de riachos, levadas e cursos de água, é possível conhecer os moinhos, todos eles com mais de 200 anos, que herdaram o nome das ruas respetivas famílias: Moinho do Quintas, Moinho do Oliveira, Moinho do Capela, Moinho do Alves, Moinho do Caralhitos, Moinho do Almeida, Moinho do Crestina e Moinho do Garrido.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

O caminho deve iniciar-se em frente ao Centro de Saúde da Foz do Sousa e tem fim no Parque de Merendas de Covelo.

Foto: Câmara Municipal de Gondomar

Senhora do Salto (Castelo de Aguiar de Sousa)

Com uma extensão de 5,3 km, a Senhora do Salto localiza-se em Aguiar de Sousa, no concelho de Paredes. Sendo um trilho, por muitos, considerado desafiante, este destina-se, não só a caminhadas, mas também a ciclismo de montanha e escaladas. O percurso está aberto durante o ano todo e é pet-friendly, na medida em que, em algumas áreas, os cães podem andar sem trela.

Muita da mística associada a este local relaciona-se com a lenda que diz que outrora, neste lugar, um cavaleiro se terá livrado da morte ao invocar a proteção da Senhora após um salto no abismo. Ao ter sido salvo, em sinal de agradecimento, o cavaleiro terá ordenado a construção de uma capela em homenagem à Nossa Senhora do Salto, nome pelo qual é conhecido o parque.

Num ambiente húmido e propício a plantas insetívoras, é possível encontrar inúmeras espécies de animais, apenas existentes em Portugal e Espanha.

Boga, bordalo, ruivaco, salamandra lusitânica, rã-de-focinho-pontiagudo, tritão-de-ventre-laranja e lagarto-de-água são, entre muitas outras, exemplos dessas mesmas espécies.

Foto: Câmara Municipal de Paredes

Passadiços do Rio Tinto

Os passadiços de Rio Tinto têm como objetivo oferecer aos visitantes a oportunidade de explorar e desfrutar da paisagem natural da região. Ao longo do percurso, os caminhantes têm a oportunidade de apreciar a beleza do rio, outrora degradado, mas que fruto de um intenso trabalho de requalificação deu origem a um passadiço que une Rio Tinto ao Freixo.

O percurso, repleto de árvores e hortas, passa por pontes, propriedades rurais, pelo Parque Oriental, chegando, por fim, à mítica Ponte do Freixo. Para além de ser um bom local para dar uma longa caminhada e de reunir as perfeitas condições para um piquenique, é muito frequentemente utilizado por ciclistas.

Foto: João Pais

Ecovia do Vez e Trilho dos Passadiços do Sistelo (Viana do Castelo)

A Ecovia do Vez é um percurso pedestre com uma extensão de 32 km, que acompanha as margens dos rios Lima e Vez. Neste longo caminho que pode demorar mais de 6 horas a ser percorrido a pé, estão incluídos os Passadiços do Sistelo, conhecidos entre os caminhantes como o Tibete Português, atendendo àquela que é a sua beleza natural.

Os Passadiços do Sistelo, ainda que apenas tenham uma extensão de apenas 2 km, são o percurso ideal para quem é apaixonado por lagos de água doce e toda uma envolvência verde, rica tanto pela sua beleza como pela sua história.

Ainda que a extensão da ecovia seja muito longa, a nossa recomendação é que, caso o tempo e a condição física assim permita, opte por combinar os Passadiços do Sistelo, juntamente com a Ecovia do Vez, partindo da Ponte Medieval de Vilela.

Foto: Ecovia do Vez (Facebook)

Fotografia destaque: Ecovia do Vez (Facebook)

PUBLICIDADE

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/uma-pascoa-saborosa-com-a-sabe-bem/?utm_source=vivaporto&utm_medium=banner&utm_term=banner&utm_content=0324-sabebem78&utm_campaign=sabebem