PUB
Recheio 2024 Institucional

U.Porto assina protocolo com autarquias para promover a empregabilidade dos jovens

U.Porto assina protocolo com autarquias para promover a empregabilidade dos jovens

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR
A Universidade do Porto (U.Porto) assinou mais treze protocolos com câmaras municipais da região Norte, juntando-se estes aos que já tinham sido assinados com outras quinze autarquias, com o objetivo de promover a transição dos estudantes para o mercado laboral.

“É fácil chegar às grandes empresas, não é fácil chegar àqueles que são os 93% dos empregadores, que são as pequenas e médias empresas. Surgiu esta ideia, que foi ‘servirmo-nos’ das câmaras como intermediários junto das pequenas e médias empresas (PME) de cada um dos concelhos”, disse o pró-reitor da U.Porto para a dimensão social do apoio aos estudantes e empregabilidade, Manuel Fontes de Carvalho.
Assim, numa cerimónia realizada esta segunda-feira, foram assinados os protocolos que juntam as câmaras de Arcos de Valdevez, Barcelos, Fafe, Lousada, Maia, Melgaço, Ovar, Paredes, Paredes de Coura, Ponte de Lima, Póvoa de Varzim, Trofa e Vale de Cambra (Guimarães, Oliveira de Azeméis e Santa Maria da Feira estavam previstos, mas a assinatura dos respetivos protocolos foi adiada) às 15 já existentes.
De acordo com o comunicado do gabinete de imprensa da universidade, “as câmaras municipais dispõem-se a acolher nas suas estruturas os estudantes para que estes tenham um primeiro contacto com o mundo do trabalho e, em contrapartida, têm a oportunidade de identificar futuros graduados que preencham as necessidades de recursos humanos dos seus concelhos”.
Por seu lado, o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, recordou que “hoje as universidades têm um papel ativo e decisivo no estímulo das competências” dos alunos que saem para o mercado de trabalho, sendo necessário que as instituições expandam as suas funções para lá daquilo que é o pedagógico e o científico.
Miguel Cabrita lembrou o elevado nível de insegurança do mercado laboral português e, nesse sentido, sublinhou que “criar mais empregos é uma resposta necessária, mas não suficiente”, uma vez que é preciso melhorar as relações e as condições laborais.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

PUB
PD- Literarura Infantil