Santander Escolhas 1

Câmara do Porto combate a violência noturna na cidade

Câmara do Porto combate a violência noturna na cidade

Desacatos, agressões, impaciência, folia e inúmeros momentos de violência, que, inclusive, já levaram à morte de alguns jovens. São estes os episódios que têm marcado a noite da cidade do Porto, desde que as portas dos bares e discotecas se abriram, depois de mais de um ano e meio encerradas, devido à pandemia de covid-19.

Os distúrbios têm estado, essencialmente, circunscritos à zona da Movida, nas Virtudes, Poveiros, Cordoaria, Praça dos Leões, Galeria de Paris, Rua Cândidos Reis, Passos Manuel, Picaria, José...

Ver Mais

Porto sem praxes que atentem contra direitos dos estudantes

Porto sem praxes que atentem contra direitos dos estudantes

A praxe, o ritual de iniciação em cada universidade, que fica a cargo dos que têm mais anos na instituição, tem sido discutida, nos últimos anos, no início de cada ano letivo.

Sobre a forma de hierarquia, a prática tem levantado muitas questões, tanto ao nível pessoas, como ético e até mesmo no campo humanístico.

Na sua essência, a praxe tem como objetivo a integração dos novos alunos, através da transmissão de valores, honrando as tradições.

Nos últimos anos, foram várias as queixas...

Ver Mais

Alunos do Grande Porto mostram intolerância ao bullying

Alunos do Grande Porto mostram intolerância ao bullying

Um projeto que envolveu 600 alunos do 6.º ao 12.º ano de cinco escolas do Grande Porto, denominado “Beija-Flor 5.0”, concluiu que a a maioria revela intolerância à violência doméstica no namoro e ao bullying”, disse hoje à Lusa a presidente da associação promotora.

O estudo decorreu ao longo do último ano aletivo e os resultados demonstram que os “objetivos estabelecidos têm sido cumpridos, quer pela observação direta das mudanças nas atitudes dos/as participantes, muitas vezes referenciado pelos/as...

Ver Mais

82% dos alunos do Porto revela intolerância à violência

82% dos alunos do Porto revela intolerância à violência

Iniciado há três anos e envolvendo alunos de três turmas do pré-escolar e quatro do 1.º ciclo de escolas do Porto, o projeto Creare tinha como principais objetivos “dotar as crianças de ferramentas para reconhecer e gerir as suas emoções, estratégias de resolução de conflitos sem recurso à violência”.

Cerca de 82% dos alunos de escolas do Porto envolvidos no projeto Creare mostrou-se “intolerante à legitimação da violência”, avançou à Lusa a presidente da Associação Democrática de Defesa dos...

Ver Mais