PD - revista Sabe Bem

Regressar às aulas em tempos de pandemia

Regressar às aulas em tempos de pandemia

A poucos dias de milhares de alunos, professores e funcionários regressarem às escolas, num ano letivo atípico, que promete ser bem diferente daquele a que todos estavam acostumados, e deixaram no passado mês de março, há todo um conjunto de regras que é necessário que, a partir de agora, todos tenham em atenção.

O distanciamento nas salas de aula será maior, os intervalos mais curtos, a máscara será obrigatória e as mãos devem ser higienizadas com frequência, assim como os espaços de maior contacto. Estas são apenas algumas das mudanças previstas no manual para o controlo da transmissão de covid-19 em contexto escolar, publicadas pela Direção-Geral de Saúde (DGS), para o regresso às aulas, que terá início entre os dias 14 e 17 de setembro.

O documento pretende “apresentar, de uma forma simplificada, informação sobre a covid-19, bem como as medidas a implementar por diferentes atores da comunidade educativa. O objetivo é servir como referencial de atuação para a prevenção e controlo da transmissão de SARS-CoV-2 no que respeita à gestão de casos, contactos e surtos de covid-19 em contexto escolar”.

Antes de tudo, é essencial que todos os estabelecimentos de ensino tenham elaborado e/ou atualizado um plano de contingência para a covid-19, com a identificação das medidas a aplicar na abertura do estabelecimento em segurança; estratégias de substituição de pessoal docente e não docente em caso de absentismo por doença ou necessidade de isolamento profilático; procedimentos a adotar perante um caso suspeito de infeção; identificação de uma ou mais áreas de isolamento e definição de trajetos possíveis para o caso suspeito se deslocar até à área de isolamento, devidamente assinalados.

Todos os profissionais (pessoal docente e não docente), alunos e encarregados de educação devem ter conhecimento do plano adotado, onde devem ser privilegiadas as regras de distanciamento físico. De acordo com a DGS, deve-se “maximizar o espaço entre as pessoas (sempre que possível, deve garantir-se um distanciamento físico entre os alunos e alunos/docentes de, pelo menos, 1 metro)”, sinalizar os trajetos de circulação, os pontos de espera em filas e os lugares a ocupar nas mesas dos refeitórios e segmentar os espaços comuns.

As regras de higienização das mãos, etiqueta respiratória e utilização de máscara devem ser recordadas através de cartazes afixados nos vários espaços dos estabelecimentos de ensino e devem ser disponibilizados dispensadores de solução antissética de base alcoólica. Além disso, deve ser cumprido o Plano “Limpeza e desinfeção de superfícies em ambiente escolar no contexto de pandemia”, que obriga à limpeza geral de todo o estabelecimento de educação ou ensino.

O manual apresenta ainda nove pontos que especificam os procedimentos a tomar quando surgir um caso suspeito de infeção, sendo que uma das diretrizes indica que “o encerramento de todo o estabelecimento de educação ou ensino só deve ser ponderado em situações de elevado risco no estabelecimento ou na comunidade” – uma medida que deve ser determinada apenas pela Autoridade de Saúde Local, em conjunto com as Autoridades de Saúde Regional e Nacional.

As medidas apresentadas pela autoridade de saúde têm como base os “princípios de evidência e conhecimento científico, bem como a evolução da situação epidemiológica, não dispensando, contudo, a consulta e cumprimento da legislação em vigor ou outras orientações específicas para os estabelecimentos de educação ou ensino”.

Todas as orientações do manual podem ser consultadas aqui.

PUB
Pingo Doce Sabe Bem

Viva! no Instagram. Siga-nos.