Sogrape

Propinas em atraso no Ensino Superior chegam a atingir 25% dos alunos

Propinas em atraso no Ensino Superior chegam a atingir 25% dos alunos

O PCP leva esta quarta-feira à Comissão de Educação um requerimento para ouvir o ministro Nuno Crato, no Parlamento, a propósito do tema. Os comunistas pretendem saber a dimensão do fenómeno e quais as medidas que o Governo pretende adotar para a sua resolução.
“O atraso no pagamento de propinas aumentou muito na maioria das instituições. Não é diretamente desistência, mas é um indicador forte do que está a acontecer”, afirmou, à Lusa, o coordenador do Ensino Superior na Federação Nacional dos Professores (FENPROF), Rui Salgado. De acordo com o responsável, muitos estudantes desistem porque “não conseguiram a bolsa de que necessitavam para prosseguir os estudos”; outros, mesmo com algum apoio, deixam de ter o apoio dos pais, que perdem a capacidade de suportar os custos inerentes ao Ensino Superior.
“É uma situação preocupante também para o país. A frequência do Ensino Superior é ainda em Portugal uma importante forma de mobilidade social”, defendeu Rui Salgado, relembrando que o país está ainda longe dos níveis de qualificação da maioria dos países da Europa.
PUB
www.youtube.com/watch?v=sGBN85XLjXI/?utm_source=cm&utm_medium=banner&utm_term=leaderboardmobile&utm_campaign=natal