Philips

Plataforma de Acolhimento e Tratamento Animal de Gaia quase pronta

Plataforma de Acolhimento e Tratamento Animal de Gaia quase pronta

O município de Vila Nova de Gaia terá, em breve, uma nova razão para celebrar, com a conclusão da obra da Plataforma de Acolhimento e Tratamento Animal (PATA), que reunirá, num só edifício, todas as valências necessárias para os cuidados e tratamentos dos animais.

Enquadrada numa zona verde da freguesia de Avintes, nas proximidades do Parque Biológico de Gaia, numa área com cerca de 36 mil metros quadrados, o equipamento irá colmatar algumas necessidades há muito sentidas pelo Centro de Reabilitação Animal de Gaia (CRA), nomeadamente ao nível da falta de espaço e de celas, além de acrescentar mais valências à atual oferta do concelho.

Os trabalhos de conclusão estão já na reta final e “se não houver contratempos, a obra do edifício estará concluída ainda este mês”, adiantou à VIVA! a Câmara Municipal. “A ela seguir-se-á a instalação dos respetivos equipamentos”, contudo, não é ainda possível avançar com “uma previsão fidedigna da data de abertura”.

Entre as mais valias da intervenção, que resulta de um investimento municipal de 1,3 milhões de euros, está a maior capacidade de integração de animais que a PATA vai oferecer – quatro vezes maior do que a superfície do Centro de Reabilitação Animal.

O edifício, note-se, estará dividido em três grandes grupos: um destinado à formação, que vai ter acesso pelo interior e é independente pelo exterior e que permitirá o seu uso mais flexível e autónomo dos horários de funcionamento do equipamento. “Destina-se a um centro de formação vocacionado, sobretudo, para ações de sensibilização contra o abandono dos animais, bem como sobre os cuidados a ter com os mesmos”, realçou a autarquia.

Os cuidados de saúde serão também uma das valências enraizadas neste espaço, com áreas destinadas ao tratamento e de apoio ao alojamento dos animais. O alojamento, considerado outro dos grandes pilares desta intervenção, estará presente em edifícios anexos que ocupam as posições mais reservadas e protegidas, de modo “a garantir o bem-estar dos animais”. “Oferecerá maior capacidade do que a atual e contará ainda com novidades, como a maternidade, uma área de recreação e um parque canino”.

Segundo informação avançada pela autarquia, liderada por Eduardo Vítor Rodrigues, as valências de tratamento médico e higiene, como banhos e tosquias, serão também asseguradas. “O novo espaço terá ainda um investimento na reabilitação comportamental, com uma sala própria e uma zona que permitirá a interação com o futuro tutor”, revelou ainda.

No total, a Plataforma de Acolhimento e Tratamento Animal de Gaia pode acolher entre 150 a 170 animais, sendo que a maior fatia está destinada aos cães. A capacidade para acolher gatos será mais reduzida, tendo apenas capacidade para acolher cerca de 10 felinos.

Recorde-se que o município de Gaia tem dado particular atenção aos animais, sobretudo no que respeita à problemática do abandono, sensibilizando a população para esta problemática, com campanhas que promovem a adoção responsável de cães e gatos recolhidos pelo município ou entregues diretamente pelos munícipes. A pandemia obrigou a ações mais pontuais, contudo a Câmara Municipal destaca que o objetivo continua a prevalecer: “promover a adoção responsável de um animal de companhia, um companheiro para a vida”.

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/o-melhor-do-alentejo-na-sua-mesa-de-pascoa/?utm_source=vivaporto&utm_medium=banner&utm_term=banner&utm_content=080321-ta5&utm_campaign=sabebem60

Viva! no Instagram. Siga-nos.