Philips

O SARS-CoV 2 mudou a face da saúde em Portugal

O SARS-CoV 2 mudou a face da saúde em Portugal

Sim, estamos em plena segunda vaga de transmissão de SARS-CoV2. Prevê-se uma terceira vaga e, dado que não há ainda restrição de voos entre Portugal e Reino Unido, a nova estirpe de coronavírus vai chegar inevitavelmente.

As perguntas são muitas. Numa semana somos injectados com uma dose de optimismo quando vemos uma senhora de 92 anos a ser vacinada no St Thomas Hospital em Londres e pensamos que a vacina seja o início do fim. Na semana seguinte, também do Reino Unido, chega a notícia do confinamento mais estrito para o Natal. Tudo porque identificaram uma nova estirpe de SARS-CoV2. E o que sabemos? Nada. Se a estirpe é mais infecciosa, se é menos, se é mais grave, se tem resposta vacinal cruzada com a vacina desenvolvida até ao momento, são tudo suposições e incertezas.

Por isso vos digo, ao contrário dos arco-íris que asseguram que vai ficar tudo bem, o coronavírus veio para ficar. E na verdade, ninguém tem assim tanta certeza de como as coisas ficarão.

O que sabemos é que um Sistema Nacional de Saúde depauperado por administrações e tutelas coniventes com o seu desmantelamento, chegou efectivamente no seu limite. As escalas estão cheias de buracos, os profissionais também adoecem e realmente não há ninguém para os substituir. Não temos médicos, enfermeiros, auxiliares de acção médica e técnicos em gavetinhas diligentemente à espera para serem chamados para a linha da frente. Não. Somos os mesmos, sempre os mesmos, continuaremos a ser os mesmos. Os contratos que agora surgiram têm o seu termo a 4 meses. O que é isto? Acham mesmo que daqui a 4 meses a pandemia acabou?

O SARS-CoV 2 mudou a face da saúde em Portugal: colocou-lhe máscara, touca, viseira e distanciou os doentes dos profissionais de saúde.

Todas as dificuldades de acessibilidade aos cuidados de saúde, intensificaram-se. No contexto de pandemia, tudo se tornou mais lento, mais pesado, mais burocrático. Como se a pandemia servisse precisamente para colocar milhares de pedrinhas em todas as engrenagens.

O que eu temo, sobretudo, é o impacto da pandemia na humanização dos cuidados. Tenho a sensação que em menos de um ano conseguimos regredir 20 anos de sucessos neste quadrante. Acompanhantes vedados, consultas reduzidas ao mínimo, contactos telefónicos invés de conversas presenciais. E as máscaras, sempre as máscaras, tornando-nos especialistas em linguagem corporal e mestres na descodificação de conversas abafadas.

Não sei onde isto tudo nos vais levar. Mas não prevejo um caminho fácil. Será que vai ficar tudo bem?

Joana Martins
Pediatra
www.pediatrajoanamartins.com

PUB
www.pingodoce.pt/produtos/take-away/encomendas/?utm_source=vivaporto&utm_medium=banner&utm_campaign=encomendasta&utm_term=banner&utm_content=050121-encomendaschef2021

Viva! no Instagram. Siga-nos.