RECHEIO 50 ANOS

Nova área na urgência do Hospital São João para doentes não-Covid

Nova área na urgência do Hospital São João para doentes não-Covid

O Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), no Porto, inaugurou esta quarta-feira uma nova ala de urgências para os doentes não-covid. A nova área, com 500 metros quadrados, pretende melhorar as condições de segurança e privacidade das pessoas que chegam ao hospital com queixas não relacionadas com a pandemia.

“Não é para aumentar a capacidade de resposta. É para tratar com mais dignidade, conforto, espaçamento, privacidade e segurança os doentes não Covid”, disse o diretor da Unidade Autónoma de Gestão de Urgência e Medicina Intensiva do Hospital de São João, Nelson Pereira, citado pelo Observador.

O espaço ficou pronto em mês e meio e é fruto de um investimento a rondar os 300 mil euros. A nova área abriu esta quarta-feira, às 08h, e vai funcionar em paralelo com as antigas urgências.

Esta nova unidade conta com oito gabinetes e 28 “boxes”, pequenos espaços individuais, separados por vidro fosco, que permitem prestar os cuidados. Os doentes podem estar em avaliação e em tratamento “completamente separados uns dos outros”, contou Nelson Pereira ao Sapo 24.

O enfermeiro chefe da Urgência, Paulo Emílio Mota, salientou a “importância de dar privacidade aos doentes” até porque, como Nelson Pedreira também admitiu, “genericamente os serviços de urgência do país não são bons no que respeita à privacidade. Essa é uma das principais queixas dos doentes, o facto de se sentirem expostos”.

O investimento nesta nova área “mostra que o hospital não esqueceu os doentes não Covid”, disse a diretora do Serviço de Urgência, Cristina Marujo, enquanto o diretor da Unidade Autónoma de Gestão de Urgência e Medicina Intensiva frisou que “se antes não era aceitável que todas as pessoas estivessem no mesmo espaço ao lado umas das outras, é evidente que numa situação de pandemia isto preocupa 10 vezes mais”.

Ao contrário do que se passou durante a primeira vaga da pandemia, em que os portugueses evitaram recorrer aos serviços de saúde, o Hospital de São João está a receber no Serviço de Urgência, em média, 430 doentes por dia. “Estamos com números muito próximos dos que tínhamos antes da pandemia”, disse Cristina Marujo.

Sobre a época gripal, esta “vai chegar mais tarde e com menor intensidade do que nos outros anos”.

“Temos esperança que face a todas medidas [de combate e segurança por causa da Covid-19 como uso de máscara, distanciamento e etiqueta respiratória] que estamos a cumprir, pode haver um menor impacto da gripe neste outono/inverno a exemplo do que aconteceu no hemisfério Sul. Acreditamos que a gripe vá chegar mais tarde”, concluiu Nelson Pereira.

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/sinta-o-natal-com-a-sabe-bem/?utm_source=cm&utm_medium=banner&utm_term=leaderboardmobile&utm_content=sabebem70&utm_campaign=sabebemfazbem