PUB
Recheio 2024 Institucional

Investigadores da FADEUP criaram dispositivo para melhorar rendimento no surf

Investigadores da FADEUP criaram dispositivo para melhorar rendimento no surf
Investigadores da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP) desenvolveram um dispositivo que permite recolher dados de navegação aquática aplicada ao surf, para avaliar o desempenho dos atletas e melhorar o seu rendimento.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

O dispositivo foi o instrumento que determinou a criação da empresa “All in Surf”, apresentada durante o Pitch Day, no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC), evento para apresentação e divulgação de novas empresas, em fevereiro, no qual recebeu uma menção honrosa.
Em depoimentos à Lusa, um dos responsáveis pelo projeto, Márcio Borgonovo dos Santos, investigador do Laboratório de Biomecânica da FADEUP (LABIOMEP), indicou que o equipamento desenvolvido “mede todas as forças que acontecem na prancha”, através de sensores.
As medições recolhidas servem para “quantificar a força utilizada pelo atleta e otimizar o seu treino e desempenho”, o que pode tornar a sessão de surf “perfeitamente objetiva e quantificável”, indica o investigador.
O projeto para a “All in Surf” começou em 2011, mas a empresa surgiu oficialmente em 2015, por desafio da estação televisiva alemã ZDF, que convidou os investigadores a fazer um documentário com o surfista alemão Sebastian Steudtner, estreado em finais de 2015.
Para esse efeito, desenvolveram um equipamento com um sistema de aquisição de dados de navegação aquática, composto por GPS, uma central inicial com acelerómetros, giroscópios e magnetómetros, uma bússola digital, um sensor de temperatura, um sensor de pressão e relógio de alta precisão.
O dispositivo contém ainda um sensor de fluxo de água tridimensional que possibilita “relacionar as informações do movimento do atleta com a dinâmica da água que passa por baixo da prancha”.
“É possível sincronizar o relógio de alta precisão presente no equipamento com imagens e, a partir daí, consegue-se fazer a dinâmica inversa do movimento e saber exatamente o que está a acontecer com o surfista em determinado momento”, explica o investigador.
Embora o dispositivo tenha sido pensado para a Nazaré, “o mais relevante são os dados e a informação recolhida e o que se pode fazer com a mesma”, refere Miguel Albuquerque, designer gráfico do projeto, acrescentando que “o que importa é a leitura analítica da performance do atleta”.
A empresa “All in Surf”, da qual também faz parte José Costa, tem como parceiros a sociedade científica do Surf – “Surf Society”-, a FADEUP, os outros centros de investigação da universidade, a Faculdade de Motricidade Humana de Lisboa, a Universidade de Trás-os-Montes, bem como os centros de alto rendimento do país, principalmente o de Viana do Castelo.
O projeto recebeu o Prémio do Público no Concurso de Ideias de Negócio da UP, o “iUP25k”, tendo sido também distinguido no concurso de empreendedorismo “Aprendendo a Voar”, organizado pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência da UP (INESC TEC).

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

PUB
PD-Bairro Feliz