PUB
Recheio 2024 Profissional

Imaginarius vai ter cinco centenas de cadeiras de cartão para o público montar

Imaginarius vai ter cinco centenas de cadeiras de cartão para o público montar

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR
O Micro Atelier de Arquitetura e Arte estreia esta sexta-feira, no festival Imaginarius, o projeto “Reclamar a Cidade”, que em três locais de Santa Maria da Feira irá disponibiliza 500 ‘kits’ para montagem de cadeiras de cartão destinadas a transformar o espaço público.

Concebido por Miguel Costa e Meireles de Pinho, o projeto propõe-se envolver os moradores e espectadores deste festival de artes de rua na montagem do objeto de mobiliário que, resultando de 25 peças de cartão em canelado duplo, deverá depois acomodar pessoas, ser transportado para outros locais do recinto e passar a novos utilizadores, sempre de forma livre e espontânea.
“O desafio é que as pessoas construam uma cadeira que, não sendo um objeto de ‘design’ e apresentando-se apenas como uma peça em que as pessoas se sentam, possa ser colocada em qualquer sítio da cidade, nos locais mais ao abandono, em praças onde as pessoas não têm onde repousar e até em lugares que, mesmo tendo bancos, nos obrigam a olhar numa determinada direção, que não é necessariamente a que nos interessa”, realçou Miguel Costa.
O arquiteto espera, por isso, que as cadeiras desmontáveis consigam chegar a locais inesperados, marcar novas áreas de usufruto da paisagem, acomodar sucessivamente diferentes utilizadores e mesmo ser transportadas de mão em mão, para decorarem sempre novos espaços.
Os 500 ‘kits’ de montagem estarão disponíveis no Rossio, na Rua dos Descobrimentos e no Largo Gaspar Moreira, sendo que cada conjunto de 25 peças de cartão canelado deverá materializar-se assim num “símbolo de socialização e apropriação da cidade”.
O trabalho do público na construção desse mobiliário cartonado não significa, contudo, que os participantes no projeto possam encarar a peça daí resultante como sua propriedade. “As cadeiras não são um brinde”, afirmou Miguel Costa. “Há sempre uma grande dose de imprevisibilidade num projeto como este, mas as cadeiras pertencem ao festival, são para uso de todos e o que queremos é que o recinto fique saturado com elas”, antecipou.
No segundo dia do evento, o arquiteto espera constatar no centro da Feira “um uso massivo das cadeiras” e, embora ainda não tenha definido o uso que lhes será dado após o encerramento do festival, está tranquilo quanto ao estado de conservação do mobiliário por essa altura.

A 16.ª edição do festival Imaginarius decorre no centro histórico da Feira esta sexta-feira e sábado, apresentando em diferentes espaços públicos da cidade 42 espetáculos e intervenções artísticas, sempre com entrada livre. Cada dia do evento inclui 12 horas de animação contínua assegurada por mais de 300 artistas de 16 países, em representação de 47 companhias e criadores.
PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

PUB
Pingo Doce- Revista Sabe Bem