PUB
Recheio 2024 Institucional

Gaia admite que Marés Vivas poderá ter que procurar novo local

Gaia admite que Marés Vivas poderá ter que procurar novo local

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR
O presidente da Câmara Municipal de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, admitiu esta segunda-feira que terá de procurar uma alternativa para realizar o festival Marés Vivas se não for possível recuperar o atraso causado pela ação judicial da Quercus.

Os trabalhos de preparação do novo espaço, no Vale de S. Paio junto à reserva do Estuário do Douro, estiveram parados pelos efeitos suspensivos de uma providência da associação ambiental Quercus e a autarquia vai agora avaliar “quais os danos” causados e “se é possível recuperar os 15 dias” de paragem.
“Os serviços técnicos estão a avaliar” o impacto da paragem nos trabalhos de limpeza e “até quarta-feira irão perceber o que falta fazer” para que o espaço esteja apto a receber o festival, afirmou Eduardo Vítor Rodrigues.
Segundo o autarca, “a questão jurídica está encerrada” e, a este nível, não há argumentos para impedir a realização do Marés Vivas no novo espaço escolhido pela autarquia, junto à reserva.
Admitiu porém que, caso não seja possível recuperar o atraso de 15 dias, será necessário “pensar em alternativas”, como o espaço anterior junto à Douro Marina, mas que, nesse caso”, vai ter que haver consequências” e responsabilidades imputadas.
Depois de a câmara ter aprovado, por unanimidade, uma resolução fundamentada que defende o interesse público do acordo celebrado com a organizadora do festival, os trabalhos “podem recomeçar”, destacou o presidente da câmara.
No documento que apresentou junto do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto a 5 de maio, a autarquia considera que “a impossibilidade da realização do festival no local e na data fixados e publicitados” irá lesar “de forma grave e irreparável o interesse público no município e da região”.
Desde o início do ano que a nova localização escolhida para a 14.ª edição do festival de verão, junto à reserva do Estuário do Douro, tem motivado críticas de associações ambientalistas como a Quercus que já apresentou duas providências cautelares para impedir a realização do evento.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

PUB
Pingo Doce- Revista Sabe Bem