PUB
Recheio 2024 Institucional

Estudo confere ao Porto “estatuto endémico de tuberculose”

Estudo confere ao Porto
O projeto Menos TB Porto concluiu que, relativamente às dinâmicas de transmissão da tuberculose, o Porto é “um reservatório genético de estirpes de [bactéria] Mycobacterium tuberculosis”, o que lhe confere “estatuto endémico de tuberculose”, disse esta segunda-feira a coordenadora à Lusa.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

A responsável Raquel Duarte salienta, em nota enviada à Lusa, que “embora a tuberculose tenha vindo a diminuir no país, concentra-se cada vez mais nos grandes centros urbanos em grupos vulneráveis. O Porto é a prova disso”.
“O Porto constitui-se assim como um importante modelo para a diminuição de incidência numa área endémica para tuberculose”, explica a investigadora do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e coordenadora do Centro de Referência Nacional para a Tuberculose Multirresistente.

O Projeto Menos TB Porto
O Projeto Menos TB Porto encontra-se na sua fase final. Este projeto tem como objetivo principal “estabelecer uma estratégia eficaz de diagnóstico e tratamento precoce de tuberculose, e identificar fatores de risco específicos para o desenvolvimento da doença nos grupos vulneráveis, nomeadamente junto dos sem-abrigo”.
Resultou da colaboração entre o Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, o Instituto de Ciências da Vida e da Saúde da Universidade do Minho, a ARS Norte, o ACeS Porto Ocidental e o ACeS Porto Oriental.
Os rastreios realizados pelas Unidades de Saúde Pública do Porto Oriental, do Porto Ocidental e do Centro de Diagnóstico Pneumológico (CDP), em parceria com as organizações de apoio aos sem-abrigo, permitiram rastrear 403 indivíduos e nestes identificar dois casos de tuberculose.
“A incidência de tuberculose na população em geral é de 20 casos por cada 100 mil habitantes, e só no Porto este projeto permitiu detetar dois casos em apenas 403 indivíduos, o que se traduz numa taxa de incidência de 496 por cada 100 mil sem-abrigo”, sublinha a responsável.
Raquel Duarte é a coordenadora deste projeto, diretora da Unidade de Gestão Integrada do Tórax e Circulação do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia, coordenadora do Centro de Referência Nacional para a Tuberculose Multirresistente, assessora do diretor do Programa Nacional para a TB/VIH, para a área da tuberculose, e docente da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.
Os resultados do projeto “sugerem” que as equipas de rua têm um papel muito importante na proximidade com os sem-abrigo e outras populações vulneráveis, cuja articulação com as unidades de saúde pública e CDP são fundamentais.
Assim, salienta a responsável pela investigação, o término do projeto não deve implicar a diminuição destas sinergias e, por isso, foi proposto “um cronograma de rastreios para 2017, que visa a articulação, sensibilização e acompanhamento de casos entre os ACES do Porto e as equipas de rua”.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

PUB
Pingo Doce- Revista Sabe Bem