CIN

Dicas para um regresso às aulas “em segurança”

Dicas para um regresso às aulas “em segurança”

Na próxima semana, milhares de alunos portugueses retomam um novo ano letivo. Com o regresso às aulas, sobretudo depois de um ano com aulas presenciais e online intercaladas, chegam algumas preocupações, sobretudo por parte dos pais.

A pensar nisso a VIVA! reuniu algumas dicas que pode e deve seguir para evitar uma “maior exposição das crianças a situações mais perigosas no seu dia a dia” e, assim, tornar as suas idas para as atividades escolares, e outras, “muito mais seguras”.

regresso_aulas

Um dos primeiros conselhos, para quem leva os filhos à escola de carro é, de acordo com a Prosegur Alarms, “deixá-los o mais próximos possível da entrada do estabelecimento”. E o ideal é ir-se embora apenas depois de garantir “que entram no edifício em segurança”.

Se, por sua vez, o trajeto de casa para a escola é feito de forma independente, seja a pé ou de bicicleta ou trotineta, por exemplo, é importante “fazer o caminho com as crianças várias vezes”, recordá-las dos “principais sinais de trânsito e de como devem circular na rua”, sempre pelos passeios e passadeiras, e alertá-las ainda para que não enveredem por atalhos. “É importante seguirem sempre o percurso definido”, indica.

Na eventualidade de as crianças se deslocarem de bicicleta ou trotinete, os pais devem assegurar-se de que estes “levam o capacete e que cumprem os requisitos de segurança”, sublinha ainda. Adicionalmente, é também importante que os avisem sobre o perigo de “aceitar boleia de estranhos”.

Um autocarro da STCP (Sociedade de Transportes Colectivos do Porto), no Porto, 16 de novembro de 2011. JOSE COELHO/LUSA

A utilização de transportes públicos é, regra geral, um dos mais requisitados para os trajetos entre casa-escola e vice versa, pelo que a empresa considera fundamental orientar as crianças para que estejam na paragem pelo menos cinco minutos antes da chegada prevista do transporte. Além disso, acrescenta, os pais devem ainda ensiná-las a “não ficar no «ângulo morto» dos motoristas, pois estes podem não vê-las”.

É igualmente importante que exista uma carteira de “contactos para emergências”, tanto para os pais, mas, sobretudo, para os filhos. “Garanta que os seus filhos sabem ou têm com eles números de telefone de adultos da sua confiança” a quem possam recorrer na eventualidade de os pais estarem “ausentes”.

Outra das dicas fundamentais, sobretudo em tempos de pandemia, é que as crianças estejam a par de todas as regras em vigor nos estabelecimentos escolares, nomeadamente no que respeita ao distanciamento físico recomendado, à utilização de máscara e higienização das mãos.

De forma a evitar lesões musculares, a Prosegur Alarms salienta que as mochilas nunca devem “pesar mais do que 10% a 15% do peso corporal” dos alunos, sendo que os artigos mais pesados devem “ficar mais próximos das costas” e as alças da mochila devidamente ajustadas ao corpo. Desta forma, causar-se-á “menos tensão”.

Viva! no Instagram. Siga-nos.