PUB
Junta da Galiza

Confrades de Valongo criam projeto para preservar tradições do concelho

Confrades de Valongo criam projeto para preservar tradições do concelho
Mais de uma centena de “confrades” prometem “trabalhar pela preservação e divulgação das tradições gastronómicas de Valongo”, através da Confraria do Pão, da Regueifa e do Biscoito criada há um ano mas que realiza o seu primeiro “capítulo” este sábado.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

“A Confraria tem por objeto o estudo, a defesa, o prestígio, a valorização, a promoção, a consolidação da qualidade e divulgação do Pão, da Regueifa e dos Biscoitos de Valongo, enquanto valores gastronómicos e de interesse económico local”, explicou, em comunicado, esta estrutura.
A presidente da direção, a “padeira mor” Rosa Maria Rocha, explicou que estão já pensados projetos que visam os elementos e histórias ligadas ao pão, regueifa e biscoito, como a realização de um concurso ou a dinamização de visitas a escolas.
“Este é um valor imaterial de Valongo que não podemos perder. Faz parte do passado do concelho, mas também do presente e se for divulgado e dinamizado pode fazer parte do futuro”, referiu Rosa Maria Rocha.
Sobre o concurso, a responsável avançou que se tratará de recuperar a tradição da chamada “sopa seca”, um prato que até poderia ser associado às típicas rabanadas do Natal, mas na realidade apesar dos moletes secos, do açúcar e da canela serem elementos comuns, é diferente porque a cozedura é feita no forno.
A Confraria do Pão, da Regueifa e do Biscoito de Valongo também está a estudar como contribuir para a preservação dos moinhos existentes na região e vai estabelecer parcerias com as escolas e padarias do concelho para que padeiros mostrem ‘in loco’ às crianças como se faz pão, brindando-as, a seguir, com um “pequeno-almoço tipicamente antigo”.
Este sábado vão ser entronizados 107 “confrades” numa cerimónia marcada para as 10 horas na Igreja Matriz de Valongo, espaço escolhido pela ligação do pão à história bíblica, mas também porque este templo foi construído com dinheiro doado por padeiros.
A esta centena de “confrades” fundadores e efetivos vão somar-se sete honorários: o Município de Valongo, as quatro freguesias do concelho, bem como o professor José Pinto da Costa, em representação da Academia do Porto, e o pároco Luís Borges.
A presidente da Confraria do Pão, da Regueifa e do Biscoito avançou que “já foram entretanto convidados e aceitaram ser confrades” o maestro Rui Massena e Júlio Magalhães.

No sábado realizar-se-á ainda, pelas 17 horas, um desfile para o Largo do Centenário, no âmbito da festa concelhia da Regueifa e do Biscoito, traduzindo-se numa cerimónia de apresentação pública da confraria que tem um ano de existência.
A promoção, organização, apoio ou patrocínio de encontros, convívios, visitas, provas, concursos ou festivais gastronómicos onde o pão, a regueifa e o biscoito tenham especial relevância, com vista à sua divulgação numa perspetiva pedagógico-cultural, é outro dos objetivos da confraria.
PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

PUB
PD-Bairro Feliz