RECHEIO 50 ANOS

CEiiA vai criar “Mercados Locais Voluntários de Carbono” em Portugal. Projeto piloto arranca em Matosinhos.

CEiiA vai criar “Mercados Locais Voluntários de Carbono” em Portugal. Projeto piloto arranca em Matosinhos.

O centro de engenharia instalado em Matosinhos, CEiiA, acaba de assinar um protocolo com o ministério do Ambiente e da Ação Climática para promover o desenvolvimento dos “Mercados Locais Voluntários de Carbono” em Portugal. 

O projeto, que visa “criar um ecossistema que incentiva os consumidores e empresas a tomarem decisões que baixem as emissões de CO2”, vai arrancar em Matosinhos, criando créditos que podem ser comprados pelas empresas que ambicionam caminhar para a neutralidade carbónica. 

“Este piloto irá permitir ao município interagir com os cidadãos e agentes económicos, encorajando-os e estimulando-os a adotarem comportamentos verdes, em troca de recompensas individuais através de descontos na aquisição de bens e serviços verdes, e de recompensas coletivas através do bem-estar gerado que os créditos comprados podem originar com o investimento que pode ser feito no município na economia verde”, explica o CEiiA, em comunicado. 

José Rui Felizardo, presidente do CEiiA, acredita que “este projeto irá contribuir para Portugal atingir a neutralidade carbónica em 2050, estando alinhado com as ambições do Pacto Ecológico da União Europeia”. Por sua vez, a presidente da autarquia matosinhense, Luísa Salgueiro, destacou a enorme vontade do município em ser “parceiro do Estado no cumprimento deste objetivo, sempre com os olhos postos em 2050 e na neutralidade das emissões de carbono”.  

“É necessário que a população assuma e viva este compromisso e, para tal, é fundamental que, para além da consciência ecológica de cada um, existam vantagens associadas a esse comportamento”, reforçou a autarca. 

Recorde-se que além de contribuir para este compromisso, o CEiiA pretende também, com este projeto, envolver os jovens, os cidadãos, empresas e os municípios a tomar decisões que promovam uma diminuição das emissões de CO2; definir o enquadramento necessário à criação de fundos locais de carbono; promover o desenvolvimento económico local através do estímulo da atividade das empresas associadas à cadeia de valor da economia verde e circular e incentivar as empresas que não conseguem eliminar por completo as suas emissões de CO2 a compensar as suas emissões comprando créditos de carbono.

As receitas poderão, assim, ser utilizadas pelos municípios em atividades que “promovam uma economia verde, descarbonizada e circular”, através de um “círculo virtuoso”. Todas as transações serão registadas na plataforma tecnológica AYR, desenvolvida pelo centro. 

PUB
www.pingodoce.pt/pingodoce-institucional/revista-sabe-bem/sabe-bem-poupar-todos-os-dias/?utm_source=vivaporto&utm_medium=banner&utm_term=banner&utm_content=27012023-edicao71utm_campaign=sabebem