PUB
Recheio 2024 Institucional

400 artistas e 49 companhias com propostas sobre cegueira e luz no festival Imaginarius

400 artistas e 49 companhias com propostas sobre cegueira e luz no festival Imaginarius

O Festival Internacional de Artes de Rua Imaginarius regressa a Santa Maria da Feira de 25 a 27 de maio, com 400 artistas, 49 companhias e 11 estreias mundiais, num cartaz inspirado pela antítese entre cegueira e luz.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

“Com um programa artístico que concetualmente coabita na antítese entre a cegueira e a luz, o Imaginarius apresenta em 2017 um conjunto de propostas de todo o mundo, que nos farão refletir a sociedade e a nossa forma de ser e estar”, anunciou a organização do programa, apresentado em conferência de imprensa.
A luz como elemento “de união e propagação de emoções sociais” contrastará assim “com a escuridão da competição e da ascensão ao poder”, no que o objetivo do festival é demonstrar como esses dois conceitos podem constituir “elementos de provocação e reflexão crítica nas cidades de hoje”, levando assim a “pensar um novo mundo”, adiantou a organização.
O presidente da autarquia disse, segundo a Lusa, acreditar que, nessa semana de maio, “Santa Maria da Feira vai ser o centro do mundo” no que se refere à criação artística para intervenção no espaço público, já que, além do programa com dezenas de propostas gratuitas para todas as idades, o festival acolherá em paralelo o seminário internacional Fresh Street #2, com 450 profissionais do setor, oriundos de 40 países.
“Já discutimos uma visão nova do mundo em Santa Maria da Feira. Tínhamos vontade de desenvolver toda uma oferta criativa que também vendesse (…) e agora já temos mercado para a nossa criatividade e as nossas companhias – área em que vão surgir muitos empregos no futuro”, realçou Emídio Sousa.
O programa da 17.ª edição do Imaginarius será protagonizado por 400 artistas, em representação de 49 companhias, de 13 países, propondo 41 espetáculos, instalações efémeras e intervenções em espaço urbano. Onze dessas performances nunca antes foram apresentadas ao público, pelo que constituem estreias absolutas, e 23 terão agora a sua primeira exibição em Portugal.

As atividades
Nos seus diferentes horários, o cartaz inclui mais de 140 apresentações ao público, sempre sobre temáticas que pretendem fazer refletir sobre a sociedade atual e o espaço urbano.
Entre as propostas anunciadas, a organização destaca o regresso da instalação “A Donzela”, peça de renda que Joana Vasconcelos criou há 10 anos com a ajuda da comunidade sénior da Feira e que agora voltará a decorar a torre de menagem do castelo local, depois de uma nova intervenção por artesãs locais.
As companhias britânicas NoFit State Circus e Motionhouse, por sua vez, apresentarão em estreia nacional o espetáculo “Block”, que abordará com circo e dança a forma como o bloco de betão se tornou um elemento central e estrutural das cidades de hoje.
Também do Reino Unido, chegará a tenda com túneis de luz caleidoscópicos que o coletivo Architects of Air propõe para “uma viagem intimista e introspetiva” e da Bélgica virá o espetáculo de grande formato “Pedaleando hacia el cielo”, com que a companhia Theater TOL se propõe reconquistar o céu da Feira com projeções a 360 graus e “anjos que pedalam as nuvens”.
A cidade acolherá ainda instalações de luz desenvolvidas sob a coordenação do festival sueco Lights in Alingsas; um espetáculo sobre “feridas da memória”, concebido em parceria luso-catalã com o festival FiraTàrrega; e a performance interativa em que a companhia brasileira Desvio Coletivo exibirá 30 performers vendados e cobertos de argila, depois de “petrificados” pelo capitalismo.
O festival voltará ainda a explorar as vertentes específicas do Imaginarius Infantil, com propostas específicas para os mais novos, e do Mais Imaginarius, que, entre 190 candidaturas de 38 países, selecionou para esta edição 20 projetos emergentes de intervenção no espaço público.

PUBLICIDADE - CONTINUE A LEITURA A SEGUIR

PUB
PD- Literarura Infantil